A Escola de Cultura Tradicional, na cidade de Fushun, que também oferece cursos de filosofia confucionista, caligrafia, artes marciais e literatura, alega que o curso de "moralidade feminina" visa somente ensinar "virtudes tradicionais", porém o órgão regulamentador da educação chinesa determinou o fechamento imediato do curso que vinha violando os valores socioeconômicos do país quanto a necessidade de engajar as mulheres na atividade produtiva da #China, pois, neste curso os professores orientavam as alunas a não terem uma carreira profissional, concentrando -se apenas no trabalho doméstico.

Curso de Submissão

As aulas do curso em questão orientavam as alunas a não contestarem nunca a opinião masculina, aceitando um papel de segunda categoria na sociedade, ensinando as mulheres a obedecerem incondicionalmente aos seus pais, maridos e filhos; um professor orienta as alunas: "Seja qual for o estilo de seu marido, a sua resposta deve sempre ser: "Sim, agora mesmo."

Numa estratégia óbvia de cercear a liberdade feminina, alguns outros "conselhos" do polêmico curso incluem não serem "namoradeiras", nunca se divorciarem, e até mesmo não encomendarem comida delivery, pois, isto infringe o sagrado papel feminino de cozinhar para a família.

Houveram diversas manifestações no Weibo, uma espécie de Twitter chinês, contra o curso em questão.

Igualdade de Gêneros

O presidente chinês, Xi Jinping, disse: “A China fará mais para melhorar a igualdade de gênero, como política de estado”, citando um provérbio chinês segundo o qual as mulheres são “a metade do céu”, e completou: “Em muitas partes do mundo, segue existindo a desigualdade entre homens e mulheres em matéria de direitos, oportunidades, e acesso aos recursos”, no entanto, a incoerência de seu discurso contrasta com seu pensamento e atitude, pois sob sua gestão já houve prisão de feministas e o presidente é um admirador do filósofo Confúcio que era adepto da separação das esferas sociais de homens e mulheres.

Os melhores vídeos do dia

Mesmo após a Revolução Chinesa em 1949 que possibilitou a emancipação feminina o pais ainda carrega muito da ideologia patriarcal-feudal que dificulta a plenitude da igualdade de gênero como política de estado; nos últimos vinte anos, aumentou o número de mulheres que se alistam no exército, marinha e aeronáutica; outras estão na área agrícola, mineração, comunicação, transporte, fábricas, comércio, varejo, saúde, educação, enfim, no entanto, se perguntarmos se a luta pela libertação da mulher [VIDEO]na China chegou ao seu fim, a resposta é definitivamente não. #Feminismo