Em revisão da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), a equipe de Mendonça Filho (DEM-PE), à frente do Ministério da Educação (MEC), retirou pelo menos dez trechos mencionando Gênero e orientação sexual do texto final, segundo noticiou o jornal Folha de S. Paulo nessa quarta-feira, dia 6 de dezembro.

O documento, que vem sendo debatido desde setembro de 2015 e ainda não divulgado pelo MEC, foi encaminhado ao Conselho Nacional de Educação (CNE).

O texto chegou a sua terceira versão em abril, quando o ministério, depois de declarar que manteria questões de gênero, voltou atrás e suprimiu três citações sobre identidade de gênero e orientação sexual da BNCC.

Agora, novamente após reiteração por parte do secretário de Educação Básica, Rossieli Soares da Silva, de que questões de gênero seriam mantidas na Base, a equipe age de forma contrária, restringindo o debate sobre gênero e sexualidade ao ensino religioso.

Na introdução e nas demais áreas de ensino, por sua vez, não há mais indicações sobre o tema em questão. A reunião do CNE para se discutir a versão definitiva do documento está prevista para acontecer nesta quinta-feira, dia 7.

Ao suprimir questões sobre gênero da BNCC, adotando expressões generalizantes como "estereótipos e preconceitos de qualquer natureza", a equipe do MEC possibilita que problemas como a violência contra mulheres, a gravidez na adolescência, o machismo, a transfobia e a homofobia continuem a passar batido pelo currículo escolar, não sendo abordados de maneira adequada e a partir de suas especificidades.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Educação

A disposição do governo de Michel Temer para ceder à bancada evangélica, que forma grande parte de sua base apoiadora, não é novidade, mas a maneira como religiosos e conservadores têm afetado o ensino é preocupante, principalmente quando levamos em consideração a cruzada contra a ideologia de gênero.

Ignorando os pareceres de especialistas, pesquisadores e educadores, o MEC se encaminha a uma direção totalmente oposta daquela adotada pelos melhores sistemas educacionais do mundo, que têm cada vez mais se empenhado em inserir os debates de gênero e educação em diversas instâncias pedagógicas.

Na Suécia, por exemplo, a adoção de uma pedagogia voltada para a neutralidade de gênero pelo menos desde 2011 tornou-se uma estratégia importante para combater o machismo e a violência contra mulheres, que apresenta altos índices no país, apesar de haver maior igualdade de gêneros a nível político, legal e econômico.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo