As sociedades variam no tempo e no espaço, ou seja, são relativas. Segundo o filósofo Luiz Felipe Pondé, em seu recente livro, chamado “Marketing Existencial”, a produção de bens de significado no mundo contemporâneo será de “ser mais feliz, mais saudável, mais equilibrado, mais bonito, mais jovem, mais desejado, ainda que menos desejante por pessoas e mais desejante por produtos”. O que tudo isso significa? Por que o mundo anda tão bárbaro? Será que existe uma explicação para tudo isso?

Numa sociedade cada vez mais narcisista, egoísta e consumista, cabem aqui algumas perguntas: o que são #valores? Que valores as pessoas preferem atualmente, valores morais, espirituais ou materiais? Atualmente que valores sobressaem no relacionamento pessoal, familiar e profissional?

De uma forma bem simples, pode-se dizer que valor é aquilo que é importante para o sujeito.

É como o ar, quase imperceptível, mas essencial para uma vida saudável. As sociedades bem estruturadas têm mais chance de formar bons cidadãos do que aquelas desorganizadas moralmente.

Com a mudança das necessidades sociais, a moral também se altera. A moral são os usos e costumes de uma população ou sociedade em determinada época. No entanto, há alguns valores aceitos e praticados universalmente, pois são valores humanos fundamentais a todos os povos independente da época e do lugar em que vivem.

São valores perenes, que não mudam nunca. Valores universais, caros aos homens de bem. Por outro lado, num mundo cada vez mais fascinado pelo consumismo e pelo descartável, que valores são imprescindíveis para a sociedade atual? Valores que se colocados em práticas tornaram a sociedade um lugar mais prazeroso e justo para se viver.

Os melhores vídeos do dia

Honestidade

Se você for fazer uma busca no Google por “honestidade”, vai aparecer isto: “palavra que indica a qualidade de ser verdadeiro: não mentir, não fraudar, não enganar”. Ou seja, honestidade é um assunto de fórum íntimo. Tão raro que, principalmente no Brasil, virou um item de luxo.

Contraditoriamente, por aqui, em terras tupiniquins, quem a possui é chamado de “careta”. No entanto, contrariando essa tendência de taxar quem é honesto de “atrasado”, “dinossauro”, afirmamos que a honestidade é o segredo de pessoas e instituições de sucesso.

A honestidade é uma característica de uma boa formação de caráter. A pessoa ou a instituição honesta é respeitada por todos e digna de confiança. A recompensa do honesto é uma vida digna, respeitada, a consciência leve sem culpa.

Quanto às instituições, elas fidelizam os clientes e têm vida longa. Não precisam ficar mudando de razão social a cada final de ano para não pagar os encargos trabalhistas. Sejamos também honestos conosco, tomando decisões certas, para que mais tarde não possamos nos arrepender de nossas ações.

Bondade

A sociedade atual caracteriza-se pelo consumismo desenfreado, pelo descartável, além do aumento do número dos injustiçados e oprimidos. O jeito de viver do homem atual é narcisista e solitário. Como ser, então, solidário com o próximo? Como praticar a bondade? Contra esse aparente paradoxo, encontra-se em Gálatas (5:22-23) um bom exemplo. “Mas o fruto do espírito é amor, alegria, paz, paciência, amabilidade, bondade, fidelidade, mansidão e domínio próprio. Contra essas coisas não há lei.”

Sim, a bondade pode ser um antídoto contra os males de uma sociedade egoísta, narcisista e preconceituosa. Onde o pobre, o negro, o mendigo e a prostituta não têm vez, a prática da bondade é um valor que não tem religião, cor, raça, sexo, território.

Afinal de contas, foi Jesus Cristo que disse: “O homem bom tira tesouro das coisas más, mas o homem mau tira coisas más de tesouros bons”. Ou seja, o homem bom não fica choramingando, reclamando. Ele prática o bem sem se preocupar com as adversidades da vida.

O amor é capaz de transformar a natureza do mau. Por isso, é preciso saber atribuir valor aos homens de coração bondoso. Para que se construa uma nova sociedade, centrada sobre os valores acima mencionados, os homens devem esvaziar o coração de tudo quanto contamina nosso caráter, para que o bem possa habitar.

Deve-se manifestar amor solidário pelo outro, respeito pelo diferente, resguardar os interesses coletivos; se forem bondosos, pacientes, tolerantes, o ser humano terá demonstrado, pelos frutos que produz, de que somos homens e mulheres de coração generosos e praticantes do bem. Enfim, valores como bondade, honestidade, #solidariedade têm em vista as transformações sociais injustas que impedem a prática da justiça, da ética e da solidariedade. Portanto, sejamos honestos, pratiquemos o bem! #Sociedade contemporânea