O oitavo episódio da saga Star Wars em cartaz nos cinemas, Star Wars – Os Últimos Jedi, responde muitas das questões que foram levantadas no filme anterior de 2015, Star Wars – O Despertar da Força. Ao mesmo tempo em que questões foram resolvidas, outras perguntas ficaram aguardando respostas.

Star Wars – Os Últimos Jedi começa exatamente no momento em que termina o episódio 7, quando Rey finalmente consegue encontrar o recluso Luke Skywalker para que este lhe ensine os segredos da milenar arte Jedi.

Este oitavo episódio de Star Wars tem o mérito de fugir da obviedade, como, por exemplo, o treinamento de Rey por Luke está longe de ser o relacionamento costumeiramente visto em várias produções cinematográficas.

Enquanto Rey busca conhecimento sobre a Força, e ao mesmo tempo descobrir quem é, Skywalker está longe de ser um Senhor Miyagi.

Nas sequencias do ‘treinamento’ de Rey, o expectador se depara com um recluso e amargurado Luke Skywalker, e é desvendado o porquê deste exílio auto imposto.

Dramas à parte, não é só de tensão que vive a relação entre Rey e Skylwaker, há momentos cômicos entre os dois e também nas (poucas) aparições de Chewbacca que contracena com os fofos e estranhos pássaros que habitam aquela ilha, os porgs. Mérito para o diretor que optou por não usar computação gráfica para dar vida a essas simpáticas criaturinhas.

Enquanto Rey é inegavelmente a personagem com um papel mais proeminente nesta nova trilogia, seu parceiro #finn, desta vez, está envolvido em uma subtrama que ressalta o lado mais cômico, que é uma das marcas registradas de toda a saga Star Wars.

Já também o uso de outro elemento clássico em Star Wars, as paisagens deslumbrantes de planetas distantes e habitantes estranhos.

Nesta produção, estas características ficam por conta da viagem de Finn à cidade de Canto Bight, quando é acompanhado de uma nova personagem da saga, Rosie Tico (Kelly Merie). Juntos eles partem em busca da ajuda de um ‘decodificador’, mas nesta busca acabam encontrando ‘DJ’, personagem do ator Benicio del Toro. Seu pequeno papel é mais significantivo do que todas as suas aparições em finais extras dos filmes da Marvel Studios.

Enquanto Rey e Finn já são os dois personagens principais desta nova trilogia com suas características já estabelecidas, é neste mais recente episódio que o piloto Pol Dameron (Oscar Isaac) tem sua participação mais importante até o momento.

Se no filme anterior ele quase não apareceu, neste é mostrado o processo em que ele começa a deixar de ser apenas um piloto impulsivo e começa a tornar-se verdadeiramente um líder, isto sob a orientação maternal, porém rígida, da General Leia.

Para todos aqueles que ainda tinham esperança de que Kylo Ren (Adam Driver) seria um vilão quase tão icônico quanto sua maior inspiração, Darth Vadder, neste filme fica claro que nunca será. Tal qual um Capitão Nascimento enfurecido, o vilão Snoke o manda tirar a máscara.

E assim Star Wars – Os Últimos Jedi continua no caminho iniciado por Star Wars – O Despertar da Força, aos poucos os personagens clássicos da trilogia original vão sendo substituídos por novos e carismáticos personagens, como Rey, Finn e Pol Dameron, enquanto que Kylo Ren [VIDEO] não passa de uma máscara bonitinha e um sabre de luz estiloso. #StarWars