Quando amamos uma Música, uma banda, um grupo, um conjunto, passamos a defender com unhas e dentes aquilo que nós idolatramos. Ignorantemente, achamos que ofendendo aquilo que nós não gostamos, estamos provando que o nosso gosto é melhor.

Com isso, aparecem “técnicos em qualidades musicais” que não tem qualificação nenhuma para julgar os “dotes musicais alheios”. Um cantor que vem polemizando nas redes sociais é Pabllo Vittar. [VIDEO] Pessoas que idolatram ou idolatraram cantores como Netinho, Felipe Dylon, Gretchen, Fiuk, Kelly Key, Latino, Xanddy, Mr. Catra, Rogério Flausino, Joelma, entre outros, resolveram virar jurados de talent show.

Aliás, muitos não gostam de Pabllo Vittar por puro Preconceito, também.

Há, também, muitos “tocadores" de Legião Urbana [VIDEO], CBJ, que criticam Nirvana, Green Day, e bandas consideradas simples, como se fizessem música clássica, bossa nova, rock progressivo, metal e outros estilos considerados complexos.

Imaginem, se os Ramones fizessem dissonantes em cima de dissonantes, riffs em cima de riffs, solos em cima de solos em suas músicas?! Sim, não seriam os Ramones, e não agradariam os mesmos fãs. Imaginem se todas as músicas fossem complexas, imaginem o rock nacional sem a influência do punk rock? Musicalmente e filosoficamente ajudou e muito o rock nacional.

Pois é, antes de fazer críticas ao punk, lembrem-se que bandas como Motorhead, Slayer, Kiss, e músicos como Morrissey, Rita Lee, já fizeram suas homenagens ao punk e ao hardcore.

Além de bandas, como Capital Inicial, Legião Urbana, Raimundos, Charlie Brown Jr, Tihuana, ter grande influência de bandas punks e de hardcore.

Aliás, nenhum músico compete com outro, quando os mesmos não estão participando do Ídolos, X Factor, The Voice e outros programas de “calouros da vida”. Cada um produz músicas para quem quer ouvir e não para competir.

Assim sendo, não gosta, não ouça. Ah, mas e Pabllo Vittar? Pois bem, não gosta, não ouça!

Sim, existe música para todos os tipos de gosto, para todos os tipos de público. Música não é como time de futebol, que você não pode vestir duas camisetas de times rivais, ou de nenhum outro. Você pode ir do rock ao sertanejo, do axé ao rap, do forró ao samba, você decide o que quer ouvir.

Música foi feita pra curtir, para refletir, para romper o silêncio, e não para se discutir ou para inferiorizar a música que não o convêm. Muitas vezes você não conhece a história do músico, ou o que aquela música significa para o fã. Então, tenham cuidado com as críticas e as palavras usadas, e lembrem-se, ninguém é melhor do que ninguém, ninguém é pior do que ninguém.