Segundo dados de uma pesquisa do Instituto Datafolha, mais de um terço da população brasileira ainda culpa as vítimas por seus casos de estupro. A pesquisa, encomendada pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, revela que grande parte do povo brasileiro não somente acha que as vítimas de estupro são quase sempre mulheres ''que não se dão ao respeito'', mas que 30% da população também pensa que as mulheres que usam roupas consideradas ''provocativas'' não tem o direito de reclamar em casos de estupro. [VIDEO]

Mas será que existe realmente alguma relação entre a roupa da vítima e a causa do crime? Esta mostra, exibida na cidade de Bruxelas, na Bélgica, está pronta para provar que não.

Batizada de ''A Culpa é Minha?'', a mostra reúne roupas usadas por vítimas de estupro no momento dos Crimes. Para os curadores, a ideia central da Exposição é demonstrar que este mito a respeito de uma suposta relação entre o uso de roupas provocativas e a ocorrência de crimes de estupro não possui qualquer embasamento.

A mostra emociona e choca. Roupas comuns utilizadas no dia-a-dia de qualquer pessoa normal são a maioria neste espaço. Calças compridas e camisetas largas não impedem que os crimes ocorram. Roupas infantis também estão presentes, causando um nó na garganta dos espectadores. Um biquíni, de proporções nada provocantes está entre as roupas mais reveladoras da mostra.

''São peças completamente normais'', afirma Liesbeth Kennes, que faz parte do CAW East Brabant, grupo de apoio às vítimas de estupro que organiza a exposição.

Ela aponta a presença de uma camiseta infantil do filme ''My Little Pony'' como uma das amostras mais duras dessa terrível realidade.

Não é de hoje que Liesbeth Kennes luta pelas vítimas do estupro e pelo reconhecimento da realidade a respeito deste crime hediondo. Em uma entrevista concedida em 2015, Kennes aponta que somente 10% dos estupros são denunciados na Bélgica e que destes, somente um em cada dez resulta na condenação do estuprador.

No Brasil, os números apontam para algo bastante semelhante. Segundo dados do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), no país também somente 10% dos estupros são denunciados. No entanto, estima-se que ocorra um estupro a cada 11 minutos, totalizando cerca de 450 mil casos por ano. Registrados são ''apenas'' 50 mil.

Para quem pensa que os dados apontados pelo Datafolha no início deste artigo se referem somente a opinião dos homens sobre o assunto, engana-se. Do total, 42% dos homens acreditam que a mulher deve se dar ao respeito para evitar o estupro [VIDEO], mas 32% das mulheres entrevistadas também creem neste conceito, mostrando que o machismo pode estar enraizado também na mente feminina.

Para Kennes, não há o que discutir a respeito disso: ''Só existe uma pessoa responsável pelo estupro, a única capaz de preveni-lo: o próprio estuprador.''