Após o cancelamento da mostra ''Queermuseu - Cartografias da Diferença na #Arte Brasileira'', o espaço Santander Cultural da cidade de Porto Alegre deverá realizar duas novas mostras com temas de diversidade e diferença sob a ótica dos direitos humanos; essa medida foi determinada de acordo com um termo de compromisso entre o Ministério Público Federal do #Rio Grande do Sul e a instituição, que se compromete a patrocinar duas novas exposições que, juntas, devem ficar expostas por 120 dias.

O MPF/RS entende que o cancelamento da mostra ''Queermuseu'' [VIDEO], em setembro de 2017, pode ser considerado ''prejuízo a liberdade de expressão artística''.

A exposição foi encerrada um mês antes do previsto, mediante pressão da população e do Movimento Brasil Livre (MBL); para estes a mostra continha conteúdos relacionados a zoofilia e pedofilia, além de desrespeito à determinadas crenças religiosas.

Para o Ministério Público Federal estas denúncias não são condizentes com a realidade da mostra. Na ocasião, embora o MPF tenha recomendado a reabertura da ''Queermuseu'', o Santander resolveu manter o cancelamento.

Os temas das novas exposições já estão definidos: uma deverá abordar a tolerância para com as diferenças, enquanto a outra abordará diferentes formas de empoderamento feminino na sociedade contemporânea.

Para Enrico Rodrigues de Freitas, procurador regional dos Direitos do Cidadão (PRDC), estas temáticas são extremamente relevantes atualmente; ele ressalta que a intolerância que vemos em nosso país, principalmente relativa às questões de orientação sexual e gênero, tem uma ligação bastante íntima com o cancelamento da mostra ''Queermuseu''.

Por isso, o PRDC considera que não existe nada mais coerente neste momento do que trazer uma nova exposição para promover um debate sobre este tema.

Por outro lado, a mostra que se compromete a abordar questões relativas ao empoderamento feminino pretende colocar a questão do gênero sob novas perspectivas, incluindo a perspectiva da orientação sexual. A intenção destas duas novas mostras é promover debates a partir dos quais a população possa evoluir, segundo ressalta Enrico Rodrigues de Freitas.

O termo de compromisso entre o MPF/RS e o Santander cultural determina ainda que a instituição cultural deverá manter medidas informativas sobre quaisquer conteúdos de suas mostras que eventualmente exibam nudez ou sexo, para assim assegurar a proteção à infância e à juventude. #LGBT