Oi. Meu nome é Juliana. Sou alegre, divertida, bem-humorada, menos de manhã. Sou impaciente e brava, bem brava. Gosto de ser magra, apesar de estar gordinha atualmente. Amo sentir que tenho a Liberdade de ser e fazer o que gosto, não sei lidar com a mentira, sou honesta e leal.

Liberdade, honestidade e lealdade são meus principais valores. Sou mandona, não gosto de regras inflexíveis. Brigo pelo que quero até conseguir ou me convencerem do contrario.

Sim, eu mudo de ideias quando me apresentam bons argumentos.

Sou amiga para todas as horas e tenho muitos amigos. O que mais gosto em mim é a capacidade de me adaptar a qualquer situação rapidamente. Nunca tive o sonho de casar, mas quero ter filhos. Amo ficar sozinha em alguns momentos, adora fazer coisas sozinha.

Em outros adoro galerão. Mas detesto multidão e confusão. Gosto de fazer as pessoas rirem e de rir.

Sou apaixonada por água, seja na praia ou na piscina. Amo rock n’roll, adoro coxinha de aniversário de criança.

Descobri há pouco tempo que amo chá de hibisco e dar aula. Descobri também que eu amo ajudar as pessoas encontrarem um caminho para seus problemas. Me envolvo de verdade e fiz disso minha profissão.

Mas o meu coração bate, meus olhos brilham, meus estômago dá aquela geladinha e o corpo sente aquele quentinho do acolhimento quando o assunto é neurociência.

Amo assistir filmes e séries de ficção científica e suspense. Adoro pipoca.

Me acho bonita e charmosa. Amo meus cabelos lisos. Não crio muitas expectativas ou idealizo as coisas, mas nem sempre consigo. Aprendi a viver o hoje, com os recursos que tenho hoje e me responsabilizar pelos meus atos.

Principalmente, a respeitar meus limites e conviver bem com meus defeitos. Ah! Minha primeira formação foi publicidade, depois tentei a moda e agora curso psicologia.

Alguém aí sabe fazer isso? Responder a pergunta quem é você sem falar da sua profissão? Tenta? Pegue um papel e uma caneta e comece a escrever sobre você. Se não sair nada, comece a se observar, vai prestando atenção nas coisas que te deixam feliz e naquelas que te aborrecem ou entristecem. Isso se chama autoconhecimento.

Não é fácil olhar pra gente

Eu só consegui fazer isso depois que eu me curei de um Câncer de mama.

Durante o tratamento a gente perde o cabelo, todos os cabelos do corpo, sobrancelhas, cílios, tudo! Engorda, incha e fica verde. Pela primeira vez eu não conseguia me olhar no espelho. Eu não me reconhecia ali. Aquela não era eu.

E foi então que eu percebi o quanto eu gostava da minha aparência física. Nunca tinha me dado conta disso. A gente se acostuma com a própria imagem e, a medida que a vida vai te endurecendo, eu comecei a olhar pra tudo que era negativo na minha imagem.

Só quando fiquei deformada foi que percebi que meus defeitos eram lindos. Eram eles que me faziam ser quem eu era.

A partir daí comecei uma viagem para dentro de mim. O mesmo exercício que fiz com a minha imagem eu comecei a fazer com a que eu tinha aqui dentro. Aprendi quais as qualidades que eu tinha e que eu adorava ter e mostrar para o mundo. Aprendi que meus defeitos eram o que tinham me feito chegar até aqui viva.

Muitos deles foram fáceis de identificar aceitar e modificar, mas muitos fazem parte do que eu sou. Assim como os físicos, são eles que me fazem ser quem eu sou. Posso melhorar a intensidade deles. Sim eu posso. Mas sabe que alguns deles me protegem tanto que eu aprendi a amá-los.

E foi assim que eu descobri o grande amor da minha vida

Depois do tratamento, a gente vai aos poucos voltando a se reconhecer no espelho. A imagem que você vê não é mais dos seus defeitos e ponto. A gente se enxerga como realmente é. Sem máscaras externas ou internas. A gente descobre o quão linda a gente é. A gente sente falta da própria companhia quando fica muito tempo longe.

Quando isso acontece, acontece a magia. Porque o mundo continua o mesmo. Mas a maneira como você se percebe nele muda. As críticas não te machucam mais, porque você conhece os defeitos e qualidades.

Então, quando elas chegam, mesmo que em forma de ofensa, você não se machuca. Se ainda machuca, você se protege sem se machucar com a culpa. Só posso dizer para vocês que é maravilhoso e um caminho sem volta.

A gente só consegue dar aquilo que temos. Então, se encha de amor, respeito, autoestima, conhecimento ou seja lá o que te faz feliz e saia por aí espalhando o melhor de você pelo mundo.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo