Muito se discute sobre o assunto. Os poloneses participaram do Holocausto judeu durante a Segunda Guerra Mundial?

Trata-se de um assunto polêmico, que voltou aos holofotes da História, depois da aprovação pelo senado polonês em 2018 de uma lei que criminaliza aquele que mencione ou afirme que poloneses participaram do Holocausto ou ainda que utilize a expressão “campos de concentração poloneses”. Além disso, o Instituto Polonês da Memória Nacional publicou recentemente, uma lista com mais de 9000 nomes de guardas que serviram no mais conhecido Campo de Concentração da Segunda Guerra Mundial – Auschwitz.

Segundo a lista, a imensa maioria das pessoas que trabalharam nos campos de concentração eram de alemães servindo na Polônia.

Mas por que todo esse questionamento quanto aos campos de concentração?

É simples. Como Auschwitz está localizado na Polônia, alguns interpretam que este país tomou parte do genocídio ocorrido contra os judeus encarcerados nestes lugares de morte.

No entanto, existem alguns pontos nebulosos destes fatos que precisam ser esclarecidos.

Antecedentes Históricos

A Polônia existe desde o século X.

Sua independência durou até o ano de 1795, quando seu território foi invadido e ocupado pelo Reino da Prússia e, somente em 1918 conseguiu recuperar sua tão sonhada independência. Entretanto, em 1939 foi novamente invadida pela Alemanha e pela URSS (União das Repúblicas Socialistas Soviéticas). Esta invasão foi logo após um acordo de não agressão entre os Germânicos e Soviéticos. Com isso, os alemães ocuparam a Polônia a oeste e a URSS a leste, dividindo o país e o transformando em uma permanente zona de guerra.

Somente em 1946 a Polônia voltou a sentir os bons ventos da liberdade, contudo, ainda hoje sofre com as diversas invasões e ocupações ocorridas no passado. São marcas profundas e difíceis de serem esquecidas.

A guerra

Com a invasão alemã em 1939, o governo polonês se exilou em Paris e depois em Londres. Foi um governo de sobrevivência, pois não era possível combater contra os nazistas. O papel do governo foi apenas de manutenção e afirmação de uma Polônia que não desiste de sua autonomia e independência.

Grande parte da população lutou contra a ocupação estrangeira, por isso quase 3 milhões de poloneses morreram no conflito. Foram muitas baixas e um prejuízo social e econômico incalculáveis. A Polônia foi um dos países mais atingidos pela guerra, sendo devastada em termos populacionais e territoriais.

Com a ocupação alemã na Polônia, os nazistas construíram uma complexa e incrível rede prisional denominada de “Campos de Concentração”, sendo o principal deles o de Auschwitz. Cerca de 2 milhões de pessoas, dentre elas milhares de poloneses, foram assassinadas sob diversas formas: envenenamento por gazes, fome, doenças ou “experiências científicas”.

A Polônia possuía uma grande comunidade de judeus. A violência foi descomunal, sem precedentes em toda a História da Humanidade. Somente em 1945, quando ocorreu a derrota da Alemanha na Guerra, é que os sobreviventes foram libertados dos diversos campos de concentração nazistas.

A lista

No ano de 2017, o Instituto Polonês da Memória Nacional apresentou ao mundo uma extensa lista com 9686 nomes de guardas que serviram no tenebroso Campo de Concentração de Auschwitz. Dentre esses nomes, 8502 eram de soldados alemães da SS (abreviação da palavra Schutzstaffel, que em português pode ser traduzido por “Tropa de Proteção”) grupamento militar independente do Exército Alemão.

A SS era a tropa de Elite de Adolf Hitler. Esta lista foi um recado muito claro que a Polônia enviou ao mundo demonstrando que não teve participação nas atrocidades cometidas nos campos de concentração.

A Lei

O Parlamento da República da Polônia aprovou no dia 1º de fevereiro de 2018 uma lei um tanto quanto controversa. Segundo a Lei, é crime qualquer menção ou afirmação de que poloneses participaram do Holocausto, ou ainda, a utilização da expressão “campos de concentração poloneses”. Dessa forma, entendem que a expressão correta seria “Campos de Concentração Nazistas” e a pena resultante da condenação por tal crime seria de até 3 anos de prisão.

Independente da motivação quanto ao retorno sobre o assunto ser ideológica, política ou histórica, o fato é que o povo polonês foi um dos que mais sofreu com a Guerra e com o peso da morte de milhões de judeus em suas terras. Sem inocentar ou acusar a população (pois a História não foi feita para julgar) é necessário deixar claro que os Campos de Concentração foram invenção e execução quase que exclusiva da Alemanha Nazista. É importante salientar que o Holocausto foi um dos maiores horrores que a humanidade já presenciou (senão o maior) e a Polônia tem todo o direito de lutar para que essa mancha não marque sua História como civilização.

Ainda há muito o que se estudar sobre esse período atribulado da História da Humanidade. Por isso a História é um constante movimento de descobertas e interpretações e que só o tempo e muita investigação poderão trazer à luz da realidade os fatos e os acontecimentos históricos.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo