Ainda nesta primeira semana de fevereiro, muitos outdoors e adesivos foram encontrados em cidades interioranas do Paraná. Nesses anúncios, estava explícito campanhas direcionadas ao potencial candidato e aspirante à Presidência da República em 2018 Jair Messias Bolsonaro (PSC-RJ) [VIDEO].

O deputado federal ganhou expressiva força entre a população nos últimos anos. O político adquiriu um público que o admira praticamente como um ídolo. Entre os argumentos mais utilizados por seus eleitores, está a suposta honestidade do parlamentar, ícone exaltado na maioria dos anúncios.

Jair Messias Bolsonaro

Jair Bolsonaro nasceu em Campinas, no dia 21 de março de 1955.

Além de político, ele é militar da reserva. Eleito pelo Partido Progressista (PP) em 2014, foi o deputado mais votado do Rio de Janeiro, com aproximadamente 464 mil votos.

Iniciou a carreira política em 1988, quando foi eleito vereador da cidade do Rio de Janeiro pelo Partido Democrata Cristão, sendo eleito deputado federal em 1990 pelo mesmo partido. Grande parte da popularidade do parlamentar [VIDEO] foi adquirida com sua ideologia conservadora, nacionalista.

Bolsonaro é contra políticas LGBTs e apoiador, declaradamente, da ditadura militar de 1964. Sempre defendendo a direita e os costumes da família tradicional, o parlamentar atraiu um grande público através do que Weber definia como dominação carismática.

Casos duvidosos envolvendo o deputado

No próprio site do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), na página "Consulta aos Doadores e Fornecedores de Campanha de Candidatos", consta que o parlamentar recebeu valores de R$ 200.000 da JBS, durante sua campanha em 2014.

Através de um vídeo no YouTube, Bolsonaro afirmou que devolveu o dinheiro para o partido. No entanto, em uma planilha do TSE, os mesmos R$ 200 mil retornaram a conta do deputado, através de uma "doação partidária".

Há também suspeita quanto ao patrimônio familiar do deputado. Apenas Jair Bolsonaro e seus três filhos são donos de 13 imóveis, que resultam em um valor aproximadamente de R$ 15 milhões, sendo maioria desses localizados em pontos altamente valorizados, como Copacabana, Barra da Tijuca e Urca, no Rio de Janeiro.

Em um dos casos, uma ex-proprietária vendeu a casa à beira-mar, na Barra da tijuca, a Bolsonaro. Porém, a vendedora se desfez do imóvel ainda com prejuízo de, pelo menos R$ 180 mil.

Ainda sobre outdoors e cartões

Sobretudo, os eleitores assíduos de Jair Messias Bolsonaro estão depositando todas as suas fichas em algo muito delicado: a honestidade de um parlamentar. Casos suspeitos envolvendo o deputado já surgiram há pouco tempo na mídia, e tudo indica que ascenderão outros.

O atual cenário da política brasileira facilita casos de corrupção, e depositar argumentos na honestidade de terceiros é bastante arriscado. #Eleições 2018 #Bolsonaro 2018