O filme Mãe! (Mother [VIDEO]), de Daren Aronofsky, estreou no Brasil no dia 21 de Setembro de 2017 e vem deixando muita gente confusa. É o que dizem: não se pode agradar a gregos e a troianos. Ao mesmo tempo em que é aclamado, também é odiado.

O longa conta a história de um casal que vive em uma casa. Enquanto a esposa (Jennifer Lawrence) passa dias tentando reformar o lugar, o marido (Javier Bardem), poeta e escritor, tenta escrever poemas. Porém, ao longo do filme, os problemas começam a aparecer, como intrusos que invadem sua casa e impõem a rotina ao casal.

Darren Aronofsky, conhecido por seus filmes enigmáticos e polêmicos, como Noé (2014), que gerou controversas, já que parte dos espectadores não aceitou a história vista como mitologia.

Darren apresentava uma visão diferente dos personagens da Bíblia Sagrada. Porém, o cineasta também foi muito elogiado em sua carreira por filmes como Cisne Negro (2010).

Sagradas escrituras

O longa se passa em tempos modernos e de início não tem nenhuma ligação com as sagradas escrituras, ou tem? Essa é a questão que Darren abre. Nos primeiros minutos do filme, Ed Harris, que interpreta um médico, resolveu entrar na mansão do casal e acaba criando uma amizade com Javier Bardem.

Em uma cena no banheiro, o suposto médico aparece vomitando e sem camisa, com uma das costelas exposta. Segundo o diretor, essa cena representa Deus, que retirou uma costela de Adão para criar a mulher. Coincidência? Na cena seguinte, a trama inclui uma nova personagem, a esposa do médico (Michelle Pfeiffer).

Ao longo da trama, Aronofsky vai dando dicas e ligando os personagens com a Bíblia.

Deus é o homem da casa interpretado por Jarvier, que salienta o amor com os demais. A mãe natureza é a Mãe (Jennifer), aquela que abomina a destruição e a maldade do ser humano.

A casa seria o mundo, e Jesus seria a criança morta entregue à sociedade e sacrificada. Darren foi ousado em sua escolha além de citar uma história, expõe suas críticas sobre Deus.

Fanatismo religioso

No período atual se tornou comum a briga entre religiões e fanatismo extremo da parte do homem na Terra. Em alguns instantes do filme, multidões se tornam intrusos na sagrada mansão. Darren mostra planos de uma sociedade com fanatismo religioso, onde sacrifícios e dogmas também são observados.

Opressão feminina

A personagem de Jennifer Lawrence é uma dona de casa que se submete aos cuidados do esposo e seus convidados. O primeiro ponto que devemos observar é a figura debochada que ela se tornou durante o filme. É xingada, ignorada e espancada. Ponto crucial para o diretor fazer uma crítica bem construtiva e esperta.

Darren Aronofsky também mostra a mãe natureza sendo destruída pelas mãos do homem. O fato é que em um corpo social como o da atualidade, a importância deste filme é excepcional para a construção de uma mente mais crítica e que foge da hegemonia.