No final de 2017, a #Netflix liberou uma nova série de suspense, onde um grupo de criminosos invade a Casa da Moeda da Espanha para efetuar um pretensioso roubo com cifras milionárias. Em fevereiro de 2018 ocorre a maior festa popular brasileira, aonde o povo vai às ruas fantasiados para dançar, beber e se divertir.

Isolados, esses dois fatores não teriam nada haver, porém a febre que virou a série espanhola em terras tupiniquins fez com que umas das fantasias mais utilizadas pelos foliões fosse o macacão vermelho e máscaras de Salvador Dali utilizados pelos assaltantes na série.

Criada pelo canal Antena 3, a série originalmente tinha apenas uma temporada com 19 episódios, mas a Netflix dividiu em 2 temporadas com 13 episódios na primeira e seis na segunda.

A série não teve nenhuma divulgação em massa, mas viralizou mundialmente através das mídias sociais.

O Professor é o mentor do plano ousado de entrar na Casa da Moeda, fazer 67 reféns e brincar de gato e rato com a polícia. A inspetora Raquel é a encarregada de negociação dos reféns. Cheio de suspense, a história vai se revelando através de flashback, e, por mais incrível que pareça, os telespectadores vão se apaixonando pelos “bandidos humanos” da história, ficando com raiva dos personagens masculinos que deveriam ser os mocinhos por terem atitudes machistas e frias.

No decorrer da trama, vemos os papéis femininos se destacarem. Além da decidida Raquel, que enfrenta a desconfiança de seus colegas por denunciar seu ex-marido, policial também, por violência doméstica, temos Tóquio e Nairobi.

As duas assaltantes são fortes e destemidas, usam a sexualidade a seu favor e não se deixam pisar por nenhum homem da trama, além de ensinar as reféns técnicas de defesa e de autoestima.

Mesmo com histórias de vida nem sempre fáceis, elas não se deixam abater nem se fazem de coitadinhas, mas enfrentam os obstáculos de frente. Creio que num país onde a corrupção está escancarada, os direitos do povo sendo subtraídos, a identificação com a série se faz compreendida.

Em La Casa de Papel [VIDEO] nos deparamos com bandidos que se preocupam com a opinião pública e com o bem-estar dos reféns, coisa que não encontramos em nossos políticos brasileiros, que fazem as maiores falcatruas e ainda tem a cara de ir para a frente de uma câmera de televisão ou em cima de um palanque reclamar que não têm verbas para investir em segurança, saúde e educação. Enfim, é quase uma forma de protesto. #lacasadepapel