O #Cyberbullying, conhecido também como assédio virtual, é algo que infelizmente está ganhando proporções cada vez maiores e fazendo mais vítimas em todo o mundo. A plataforma de vídeos mais conhecida, YouTube, está enfrentando um sério problema ao tentar barrar vídeos em que há crianças em situações vulneráveis como levando sustos e sendo perseguidas por pessoas fantasiadas de palhaços assustadores até chorarem e gritarem por estarem aterrorizadas; forçadas a vomitar, brigar, comer e dançar. Além de casos mais graves em que são amarradas como em uma simulação de sequestros e até tomando injeções e sangrando.

Motivo pelo qual pais praticam cyberbullying contra seus próprios filhos choca o mundo

Acontece que nem sempre os vídeos que são postados no YouTube são barrados pelo filtro da própria plataforma e faz com que as visualizações desses vídeos abusivos, de canais verificados, cheguem a milhões.

Graças a denúncias, o YouTube já cancelou vários canais e deletou seus vídeos. O pior de tudo é que quem produz esse conteúdo são os pais das próprias crianças, o que faz com que esse seja um assunto ainda mais sério e delicado, já que muitos pais e familiares acreditam que não estão expondo seus filhos a questões vexatórias, mas que isso será um vídeo com várias visualizações e por consequência, ganharão mais dinheiro.

Pais já perderam a guarda de seus dois filhos por conta das brincadeiras e pegadinhas abusivas

De acordo com Rodrigo Nejm, diretor de educação da ONG Safernet: "o conteúdo vai se tornando cada vez mais bizarro". Houve dois casos em que dois canais do YouTube, DaddyOFive e Toy Freaks, sofreram punição. Inclusive os donos do canal DaddyOFive chegaram a perder a guarda dos filhos.

No entanto, ainda com consequências severas algumas pessoas insistem em subir vídeos e mais vídeos com conteúdo abusivo de crianças em situação vulnerável. Ainda de acordo com Nejm, as pessoas estão perdendo a noção do certo e errado: "Conteúdo humilhante e brincadeiras em que as pessoas não estão de acordo vão criando uma banalização da violência."

O problema não termina quando a brincadeira de mau gosto acaba e a criança vai ficar traumatizada por algum tempo, ou o resto da vida. Os filhos que sofreram esse bullying pelos próprios pais não vão mais confiar neles, os laços são cortados, pois quem deveria proteger e cuidar não faz esse papel. Por mais que esses vídeos sejam excluídos do YouTube, muitas pessoas salvam esse conteúdo e republicam. O pior é quando essas crianças se tornarem adolescentes e esse conteúdo for publicado novamente. Sofrerão bullying e cyberbullying dessa vez não por seus pais, mas na escola por seus colegas.

Outro problema é o fato de outras crianças terem acesso ao YouTube e assistirem esse conteúdo abusivo em que meninos e meninas de idade similar são vítimas.

É uma humilhação em cadeia, um círculo vicioso medonho pois quem assiste também fica chocado.

Por fim, é responsabilidade nossa cuidar das crianças ao nosso redor e não consumir de maneira alguma conteúdo em que a infância de outros é roubada. Sem contar em dancinhas que a princípio não tem nada de mais para uma garota ou um garoto pequenos, mas um adulto pode erotizar o conteúdo. Ajudem a compartilhar esse artigo e de alguma maneira conscientizar as pessoas do que pode estar por trás de um vídeo engraçado envolvendo uma criança. #Abuso infantil