O programa social Universal nos Presídios (UNP) firmou parceria com a clínica de repouso Polo de Atividades Integradas (PAI) Nosso Lar. Nos últimos anos, a clínica passou por dificuldades e quase fechou em decorrência de uma dívida de R$ 30 milhões.

Segundo Eduardo Guilherme, coordenador geral do programa social UNP, foram doados 300 livros à instituição. O grupo fará também doações de roupas, alimentos e oferecerá cursos e palestras.

“A UNP atua dentro dos presídios, mas por que não ajudar também uma clínica que atende pessoas necessitadas? Vamos ajudar com donativos, roupas que eles precisam muito, brinquedos. Tudo para que eles possam interagir e se recuperar da melhor forma”, afirmou Eduardo Guilherme.

A Instituição foi fundada em 1969 e atende a pessoas com transtornos mentais e dependentes de álcool ou drogas.

Atualmente, o local passa por uma reestruturação com apoio da UNP, Poder Judiciário, Ministério Público e recebe recursos do Sistema Único de Saúde (SUS) [VIDEO].

De acordo com juíza da 3ª Vara Judicial de Adamantina, Ruth Duarte Menegatti, caso a clínica feche suas portas, não haverá local para realocar os pacientes, principalmente aqueles residentes na Instituição. “São pessoas abandonadas, que sequer têm familiares conhecidos. Ademais, findaria-se todo tratamento para os pacientes de álcool e drogas da região”, explicou a magistrada.

A clínica oferece atendimento assistencial e educacional para 144 pacientes, de 33 cidades do estado de São Paulo.

“A Igreja Universal [VIDEO] dará um apoio sem precedentes, não somente à Instituição, mas, principalmente, aos pacientes que necessitam, de forma permanente, da ajuda de nobres pessoas como são seus líderes.

Sem contar o profundo apoio oferecido à comunidade local, dada a diversidade de lugares de onde vieram os pacientes”, complementou a juíza.

Sobre a UNP

A UNP existe há mais de 30 anos e desenvolve trabalhos em 1.183 unidades prisionais em todo o Brasil. Mais de 500 mil detentos e os familiares deles, carcereiros e demais funcionários recebem amparo do grupo.

O programa social oferece cursos profissionalizantes, atendimento médico, odontológico e jurídico, cafés da manhã na porta das unidades para os familiares que visitam os presos, cestas básicas, livros e informativos. O objetivo é ressocializar os detentos. Com o conhecimento adquirido nos cursos, palestras e reuniões, quando livres, podem se reintegrar à família e à sociedade, diminuindo, assim, o índice de criminalidade.