Alexandre Parola, porta-voz da presidência da República, oficializou a criação do Ministério Extraordinário da Segurança Pública e a nomeação de Raul Jungmann para comandar a nova pasta. A Polícia Federal, a Polícia Rodoviária Federal, o Departamento Penitenciário Nacional e a Secretaria de Segurança Pública ficarão subordinados ao novo ministério.

Essa transferência do ministro Raul Jungmann do Ministério da Defesa para o recém-criado Ministério da Segurança Pública fez com que o Planalto emitisse uma nota em que, além de formular questões para ajudar no combate à violência, também se coloca como aliado na nova tarefa.

O objetivo de monitorar a entrada de armas de fogo no Brasil, especialmente a partir da Colômbia e Estados Unidos, foi uma das ações anunciadas pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Torquato Jardim, ainda no ano de 2017. Com a intervenção federal no Rio de Janeiro, outros estados da federação têm argumentado no sentido de estender a medida para outras partes do país. Todavia, a questão é a seguinte: quem é que vai pagar a conta? Já se passou uma semana da intervenção no Rio e ainda não foi anunciado um plano concreto, bem como as fontes do custeio, que provavelmente será anunciado esta semana.

Teoricamente, a criação de um novo ministério implicará em novos gastos relacionados.

Sem sombra de dúvidas, esse é o assunto do momento. Despertando a atenção da população, que acompanha tudo com vívido interesse. Questões relacionadas à segurança pública, ainda mais em um ano eleitoral, coloca-se como obrigatória na pauta dos partidos. Cabe a população agora dar continuidade aos avanços, ter um olhar crítico em meio à realidade Política atual e decidir as questões principalmente por meio do voto.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Política

Ainda é cedo para especular se a intervenção federal e o novo ministério irão produzir os resultados desejados. Porém, percebe-se que estamos vivenciando um momento histórico; onde todos querem deixar um legado. Visto que há a possibilidade, de a Reforma da Previdência ficar para o ano que vem, caberá ao próximo presidente dar continuidade à pautas importantes.

Assim, analise muito bem as propostas dos vários candidatos a presidência que haverá nesta eleição. O ano de 2018 apenas está começando, com muitas propostas e várias incertezas no cenário político.

Os próximos capítulos é que darão o desfecho dessa novela, então, fique atento.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo