Alexandre Parola, porta-voz da presidência da República, oficializou a criação do Ministério Extraordinário da Segurança Pública e a nomeação de Raul Jungmann para comandar a nova pasta. A Polícia Federal, a Polícia Rodoviária Federal, o Departamento Penitenciário Nacional e a Secretaria de Segurança Pública ficarão subordinados ao novo ministério.

Essa transferência do ministro Raul Jungmann do Ministério da Defesa para o recém-criado Ministério da Segurança Pública fez com que o Planalto emitisse uma nota em que, além de formular questões para ajudar no combate à violência, também se coloca como aliado na nova tarefa.

O objetivo de monitorar a entrada de armas de fogo no Brasil, especialmente a partir da Colômbia e Estados Unidos, foi uma das ações anunciadas pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Torquato Jardim, ainda no ano de 2017. Com a intervenção federal no Rio de Janeiro, outros estados da federação têm argumentado no sentido de estender a medida para outras partes do país. Todavia, a questão é a seguinte: quem é que vai pagar a conta? Já se passou uma semana da intervenção no Rio e ainda não foi anunciado um plano concreto, bem como as fontes do custeio, que provavelmente será anunciado esta semana. Teoricamente, a criação de um novo ministério implicará em novos gastos relacionados.

Sem sombra de dúvidas, esse é o assunto do momento.

Despertando a atenção da população, que acompanha tudo com vívido interesse. Questões relacionadas à segurança pública, ainda mais em um ano eleitoral, coloca-se como obrigatória na pauta dos partidos. Cabe a população agora dar continuidade aos avanços, ter um olhar crítico em meio à realidade Política atual e decidir as questões principalmente por meio do voto.

Ainda é cedo para especular se a intervenção federal e o novo ministério irão produzir os resultados desejados. Porém, percebe-se que estamos vivenciando um momento histórico; onde todos querem deixar um legado. Visto que há a possibilidade, de a Reforma da Previdência ficar para o ano que vem, caberá ao próximo presidente dar continuidade à pautas importantes.

Assim, analise muito bem as propostas dos vários candidatos a presidência que haverá nesta eleição. O ano de 2018 apenas está começando, com muitas propostas e várias incertezas no cenário político. Os próximos capítulos é que darão o desfecho dessa novela, então, fique atento.

Siga a página Política
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!