Diversos são os motivos pelo qual pessoas afirmam se adaptar à cultura vegetariana: Serem contrárias ao sofrimento animal, manter o estilo de vida mais saudável, se preocupar com o meio ambiente, dentre vários outros. Mas e se todos do #planeta resolvessem abraçar a mesma causa?

O #Vegetarianismo não só trás um benefício para a saúde humana, mas também é um grande promovedor da saúde Ambiental. Não é mentira que nosso planeta adoece a cada dia mais, e isso é notado através do clima e das catástrofes ambientais que devastam casas e sociedades inteiras com enchentes, terremotos e furacões.

Mas e se todos do planeta abraçassem à causa, e tirassem do cardápio a proteína animal? Segundo o Andrew Jarvis, do Centro Internacional de Agricultura Tropical (CIAT), com sede na Colômbia, em países com economia desenvolvida, esse estilo de vida traria inúmeros benefícios para a saúde da população e para o Meio Ambiente.

Mas já em países subdesenvolvidos, o Vegetarianismo intensificaria a pobreza e a fome.

Porém, em uma análise hipotética, se todos do planeta resolvessem mudar da noite para o dia a sua dieta, o primeiro impacto a ser analisado seria no clima. A produção de alimentos é responsável por quase 30% dos gases eliminados na atmosfera, e quando citamos esse tipo de produção, enfatizamos a pecuária como a pioneira na degradação do Meio Ambiente, assim, a queda na emissão de gases seria quase 60%!

Também seria notório o impacto em florestas e biodiversidade: Se o Vegetarianismo [VIDEO] se alastrasse pelo mundo todo, como uma cultura fielmente seguida, portas se abririam para o Reflorestamento, aumentando a absorção de carbono, e aliviando a Camada de Ozônio de gases prejudiciais.

Indubitavelmente, novas oportunidades de emprego nos setores florestais e ambientais seriam distribuídas pelo planeta, aumentando a capacitação de agropecuários em novas técnicas para salvar sua fonte de renda, de uma maneira ainda mais sustentável.

Um modelo de pesquisa mostra que se todos nós nos tronássemos vegetarianos até 2050, haveria uma redução na taxa de morte global de 6% a 10%, devido à menor incidência de doenças, como as cardíacas. Mas não só devido ao fato de não ingerir a carne vermelha, mas pelo fato de se ingerir mais frutas e legumes, e menos carboidratos.

Como já diz o ditado: " Somos o que comemos", se cuidarmos mais da nossa alimentação, e adquirirmos uma dieta mais saudável, vamos estar salvando não somente nossa saúde, mas a do nosso planeta, lar de gerações futuras. #MeioAmbiente