Hanna Baker está morta. Após uma intensa explicação, por meio de 13 fitas endereçadas à 13 pessoas diferentes, as razões de sua morte foram pontuadas, uma a uma, de forma crescente e gradativa, e a série produzida pela cantora e atriz Selena Gomez virou um sucesso imediato e serviu para endereçar a questão do bullying e da questão sexual de forma inédita na TV. Mas o que ficou por ser dito após uma primeira temporada com fechamento bem claro?

Aparentemente muito havia para ser dito, o que do ponto de vista estritamente narrativo é algo extremamente perigoso, pois pode mexer em questões que ficaram estabelecidas na cabeça dos fãs, de forma a tirar força da história posta. E foi o que aconteceu.

Entre as novas revelações, havia um intenso romance com um personagem conhecido, o que, para alguns fãs, poderia modificar a sua razão de tirar a própria vida, ou então ao menos tirar força de parte dos acontecimentos narrados na primeira temporada.

Talvez esse fato, em conjunto com a forma de utilização da personagem de Hanna foram os pontos que geraram mais controvérsia nessa segunda temporada, uma vez que a figura de Hanna aparecia constantemente para Clay (se está no trailer, não é spoiler - veja aqui trailer da segunda temporada de 13 reasons), mas de forma questionável: não se sabe ainda se era um fantasma, uma alucinação ou simplesmente uma manifestação do subconsciente de Clay, tentando lidar com a dor e a perda.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Televisão Seriados

Até aí tudo bem, o problema é que a figura envolvia características de cada um, sem ser possível sua definição.

E, como último ponto de atenção, fica a onisciência da escola, que enquanto não tinha ideia do que se passava em seus corredores, tudo sabia no tribunal, até o que havia acontecido na intimidade de duas pessoas. Fica por conta da licença poética da diretora Jessica Yu, em um belíssimo trabalho.

Fora as críticas, vale a pena destacar o belíssimo trabalho de roteirização e direção, que conseguiu criar cenas ainda mais tocantes e emocionantes que na primeira temporada, e trabalhar tanto com a razão quanto com a emoção, criando desenrolares marcantes para a discussão no tribunal, o ambiente do vestiário, as decisões online e os próprios corretores (e arredores) da escola.

Talvez o que marque essa segunda temporada seja justamente sua universalidade, pois se no primeiro ato houve uma agressão dirigida a um público específico, neste ato a agressão foi voltada à outro público, servindo como um trabalho de conscientização melhor que mil campanhas.

Diversão, educação e mensagem clara.

Tanto é que desde o primeiro capítulo começa a ser construído um arco narrativo que prenuncia outro grande evento de bullying que marca as escolas norte-americanas, subtrama carregada até o momento derradeiro da temporada. Se as 13 fitas da primeira temporada deram voz à Hanna Baker, a segunda temporada deu voz à um universo muito maior de vítimas, voltando-se para dentro de si mesma e escancarando um problema muito mais profundo que uma agressão pontual, mostrando que a culpa atinge muito mais que 13 pessoas em 13 fitas.

Vale como entretenimento e como debate, como essa discussão sobre o impacto social de 13 Reasons Why.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo