A prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, líder do Partido dos Trabalhadores, foi muito conturbada. Todo o processo foi marcado por grande acirramento político e polarização. Lula foi acusado de corrupção e lavagem de dinheiro em um processo tido por controverso por juristas e até mesmo por ministros do Supremo Tribunal Federal, órgão máximo do Poder Judiciário do Brasil.

A defesa do ex-presidente sempre contestou a forma da condução do processo pelo juiz federal Sergio Moro, então titular da décima terceira vara federal de Curitiba e futuro ministro da Justiça do presidente eleito, Jair Messias Bolsonaro, que ganhou as eleições após Lula ser proibido de participar do pleito.

Durante o processo, Moro foi acusado por simpatizantes do PT de ser parcial e de fazer manipulação política do processo. A grande controvérsia aconteceu inicialmente com a ordem para condução coercitiva do ex-presidente Lula, de forma contrária ao Código de Processo Penal, já que o ex-presidente não havia se negado a comparecer anteriormente, o que impediria, por lei, a condução, que posteriormente foi julgada -naqueles termos-, inconstitucional pelo STF.

Outra controvérsia sobre o processo do ex-presidente Lula foi a forma com que as provas dos autos foram consideradas no julgamento, inclusive por serem consideradas por juristas "conjunto indiciário", o que não seria suficiente para uma condenação.

Prisão antes do trânsito em julgado

A questão que polemizou muito o processo foi sobre a ordem de prisão do ex-presidente, uma vez que a constituição diz que "ninguém será considerado culpado sem o trânsito em julgado", porém, na ocasião, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que condenados em segunda instância poderiam ser presos e decidiu "reescrever a Constituição", como definiram alguns ex-integrantes da própria Corte.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lula

Porém, a questão não estava de fato encerrada, ao julgar um habeas corpus da defesa do presidente Lula, o STF debateu o tema e optou por manter a tese de prisão em 2ª instância.

Entretanto, a então presidente do STF Cármen Lúcia não colocou em pauta as ações que pediam para julgar a constitucionalidade do Código Penal que, seguindo a Constituição, proibia prisões sem o trânsito em julgado.

Decisão de Marco Aurélio Mello

Agora, o ministro do STF Marco Aurélio Mello concedeu nesta quarta-feira (19) uma decisão favorável, determinando liminarmente que condenados em segunda sejam soltos.

Resta saber se a decisão será observada. A defesa de Lula já pediu a libertação.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo