O salário mínimo para o ano que vem não deverá ter aumento real. Segundo o Governo Bolsonaro, apenas ocorrerá uma correção consonante com a inflação.

De acordo com a Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO), até 15 de abril de cada ano deverá ser enviado ao Congresso Nacional a proposta para o salário mínimo.

O reajuste do salário mínimo foi introduzido em 2011, com a política que previa uma correção de acordo com a inflação do ano anterior adicionado a um aumento baseado no PIB (Produto Interno Bruto) dos dois anos anteriores.

Essa mudança será benéfica para o governo, pois ajudará a economizar recursos e recuará com o déficit. Os valores pagos para aposentados não poderão ser menores do que o valor mínimo imposto pelo Estado e o brasileiro poderá sentir um pouco da reforma da Previdência, que atacará não apenas os trabalhadores mas os mais pobres e os aposentados.

Considerando que cerca de 48 milhões de brasileiros recebem o salário mínimo, que atualmente é de R$ 998, isto significará um péssimo presságio de que a economia continuará estagnada, a concentração de renda perdurará e os trabalhadores não vão ter confiança para consumir produtos de alto valor agregado.

Apenas em 2017 e 2018, anos nos quais ocorreu a retração da economia, foi concedido este reajuste baseado apenas na inflação.

O aumento do salário mínimo significaria uma onerosidade para as camadas mais abastadas da sociedade, porém, os ganhos para economia seriam enormes. As arrecadações dos estados e municípios aumentariam vertiginosamente (aliviando a atual desordem fiscal destes), atrelado ao consumo da classe trabalhadora e a diminuição das desigualdades sociais.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro Lula

Segundo o Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), a valorização real do salário mínimo de 73% ocorreu apenas de 2004, durante o governo Lula.

Nas estatísticas atuais, cada trabalhadora e trabalhador deveriam receber como salário mínimo o valor de R$ 4.052,65 ao mês. Bolsonaro continuará conservando a pobreza mas auentará ainda mais a riqueza dos mais ricos deste país.

Segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), a situação para os trabalhadores está alarmante, com aproximadamente 37 milhões de trabalhadores informais.

Estes trabalhadores não estão protegidos com a rede de proteção social, que inclui o seguro-desemprego, abono salarial e para se aposentar, o tempo de serviço na informalidade não contará. O ato de Bolsonaro em não aumentar o salário é intimamente interligado com o projeto de reforma da Previdência, que prejudicará estes trabalhadores marginalizados.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo