O presidente Jair Bolsonaro cumpriu compromisso de campanha nessa quinta-feira (13), bom, não exatamente, mas foi o que pareceu na visita que o mandatário fez ao estado de Alagoas. Além de Bolsonaro parecer esquecer que o Brasil atravessa uma séria crise sanitária que já matou mais de 420 mil brasileiros (pois está constantemente fazendo viagens totalmente desnecessárias, que podem ser entendidas como com atos de campanha para a eleição presidencial do próximo ano), o mandatário mais uma vez não respeita a liturgia do cargo e profere xingamentos e gestos obscenos para opositores políticos.

Aliás, o termo “opositor” parece não fazer nenhum sentido para o líder do Executivo, que parece enxergar todos que discordam dele como inimigos. Isso foi visto novamente na capital de Alagoas, Maceió, quando ao ser vaiado por oposicionistas, para demonstrar sua versatilidade no ato de xingar as pessoas, fez um gesto que é costumeiramente utilizado em Libras (Língua Brasileira de Sinais) para sinalizar um roubo ou para classificar alguém como “ladrão”.

Nos últimos dias Bolsonaro tem dado mostras de que está mais irascível que o de costume, este é um comportamento comum no amigo de Fabrício Queiroz, quando fatos políticos estão contra ele e seu Governo. O mandatário tem andado muito preocupado com a CPI da Covid que está sendo conduzida pelo Senado.

Neste tipo de situação, Bolsonaro costuma promover baixarias como a relatada acima para sinalizar para o seu eleitorado mais reacionário.

Túnel do tempo

A bravata do presidente da República, que não se comporta como tal, foi compartilhada nas redes sociais de Jair Bolsonaro. Na publicação, como se tivesse voltado na época da campanha eleitoral para presidente da República, Bolsonaro declarou que a bandeira do Brasil "jamais será vermelha", em uma referência ao PT.

Nas imagens, aparecem pessoas com bandeiras vermelhas em que se via escrito “Fora Bolsonaro”, no momento em que o presidente estava passando.

Enquanto o Brasil sofre com problemas como a falta de vacinas e desemprego, Bolsonaro se dedica a prestigiar eventos locais que, apesar de sua relevância, é algo que diz respeito aos habitantes de uma localidade e que é de se estranhar que mereça tamanha atenção do presidente da República.

Inauguração fake

Como se não bastasse estar prestigiando um evento que deveria ser comemorado pelo alcaide da região visitada, o evento era, na verdade, uma inauguração de um viaduto que já estava em funcionamento desde o ano passado. O passeio de Bolsonaro a Maceió fez com que o senador Renan Calheiros (MDB-AL) lhe fizesse críticas.

Críticas essas que Bolsonaro devolveu com o mesmo insulto que seu filho, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), seu referiu a Calheiros na CPI da Covid, onde o senador alagoano é o relator. E mais uma vez, Bolsonaro teve a oportunidade de animar seus apoiadores mais radicais nas redes sociais.

Lula

Outro motivo que também deve estar deixando o mandatário extremamente revoltado é o resultado da última pesquisa do Instituto Datafolha que mostra o ex-presidente petista Luiz Inácio Lula da Silva disparado na frente de Bolsonaro na disputa eleitoral para a presidência da República no próximo ano.

Lula aparece com 43% das intenções de votos, enquanto Bolsonaro está com minguados 23%, de acordo com o Datafolha.