Mais uma vez a população brasileira fica sem poder usar um dos maiores aplicativos do mundo, por conta de uma decisão judicial que partiu do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. A motivação é sempre a mesma: de que a empresa dona do aplicativo se negou a compartilhar informações de usuários que poderiam ajudar/contribuir em uma investigação.

O grupo de hackersAnonymous mais uma vez saiu em defesa da população e "contra-atacou". Elesteriam efetuado o chamado "ataque DDoS": Em poucas palavras, eles enviam uma quantidade enorme de tráfego para um determinado site (alvo a ser atingido) até que sua conexão caia.Essa não foi a primeira vez, e é bem provável que não será a última em que os hackers compram essa briga, que segundo eles está equilibradacom o crime de um lado e o dinheiro do outro.

E os usuários, como ficam?

Como sempre a população não tem poder para fazer muita coisa, a não ser aguardar a boa vontade da justiça, nesse caso da ExcelentíssimajuízaDaniela Barbosa, a qual determinou pena de 50 mil reais por dia às operadoras que não cumpram a decisão judicial.

Opinião do WhatsApp

Para o WhatsApp o bloqueio pode ser visto como uma forma de "discriminação" por parte da justiça do Rio.Jon Koum, um dos fundadores do app, faloua respeito do assunto através do seu perfil no Facebook, usando um tom de crítica. Segue abaixo texto traduzido.

"Estamos trabalhando para ter o Whatsapp de volta on-line no Brasil. É chocante que menos de dois meses depois de o povo brasileiro e legisladores terem rejeitado o bloqueio de serviçoscomo o Whatsapp, a história se repita.

Como antes, milhões de pessoas são desconectadas de seusamigos, entes queridos, clientes e colegas, simplesmente porque estamos sendo questionados por informações que não temos."

Agora só resta aguardar, como das outras vezes (que seja breve), o retorno do app mais querido pelos brasileiros. É bem verdade que a maioria das pessoas usam o aplicativo apenas para perder tempo e "jogar conversa fora", mas existe um quantidade expressiva de pessoas que usam para se comunicar com seus familiares ou mesmo como uma ferramenta de trabalho para realizar suas negociações/vendas.

Siga a página Polícia
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!