Apesar de terem perdido o embate contra a Disney a respeito do personagem supostamente homossexual no filme A Bela e a Fera, os conservadores têm sim motivos para comemorar. Na última quinta-feira, 16, o YouTube tomou uma decisão polêmica que enfureceu os ativistas dos direitos humanos. O portal decidiu censurar os vídeos que tratam de temáticas LGBT. A censura atinge apenas aqueles usuários que utilizam o portal em "modo restrito". De acordo com o YouTube, o modo restrito é utilizado por alguns usuários para "filtrar conteúdo potencialmente censurável que você não quer ver ou não quer que outras pessoas da sua família vejam enquanto usam o YouTube.

Usamos sinalização de comunidade, restrição de idade e outros sinais para identificar e filtrar conteúdo potencialmente inadequado".

O conteúdo que o YouTube considera potencialmente inadequado vai além de cenas de sexo gay ou nudez (esses conteúdos são excluídos do portal independentemente de serem gays ou héteros) . Imagens de beijos entre dois (ou mais) homens, ou duas (ou mais) mulheres também são censurados, decisão que deve estar sendo muito comemorada por lideranças evangélicas como Silas Malafaia e Marcos Feliciano, ou pelo defensor da ditadura, o "mito" Bolsonaro.

Mas a censura a alguns conteúdos tem surpreendido até mesmo os mais conservadores. "Divas" gays, como Lady Gaga, Katy Perry e Rihanna, também estão tendo os acessos aos seus canais restringidos.

Os conteúdos censurados podem ser assistidos apenas por quem não utiliza o modo restrito. Ativistas de direitos humanos dizem que a decisão é prejudicial sobretudo aos adolescentes gays, que podem ser impedidos pelos pais de acessarem conteúdos educativos e que trabalhem suas auto-estimas, muito comuns no portal de vídeos.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Tecnologia LGBT

Procurado, o YouTube confirmou a existência de "restrições no acesso", e deu a entender que não reverterá a decisão.

Ajude quem precisa

Caso você ou alguém que você conheça esteja sendo impedido de assistir a conteúdo LGBT no YouTube por conta da nova política da empresa, veja como se livrar do problema:

1 - Acesse a página do YouTube

2 - Role a barra lateral até o final da página

3 - Encontre no rodapé o menu "modo restrito" e desative-o. Para fazer isso, você precisa estar logado no portal.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo