O jornal Folha de São Paulo publicou nesta última sexta-feira (19), um artigo relacionado à utilização do aplicativo de mensagens instantâneas ‘WhatsApp’, para disseminar campanhas das eleições presidenciais deste ano.

Posteriormente à publicação, a jornalista responsável por seu conteúdo, Patrícia Campos Mello, se tornou alvo de ofensas na internet e teve sua conta do WhatsApp hackeada, motivos que levaram o caso até a Polícia Federal, para que fosse instaurada uma investigação para identificar os responsáveis pelas ações.

Os métodos utilizados pelos criminosos para "roubar" contas do WhatsApp

De acordo com Igor Rincon, que é hacker profissional e especialista em segurança da informação, existe a possibilidade de que uma conta do WhatsApp seja invadida até mesmo por pessoas que não possuem muito conhecimento no assunto bastando, por exemplo, que o usuário tenha que trocar o número do seu celular, e consequentemente migrar sua conta do WhatsApp para esse novo número.

Para que esse procedimento seja concluído, o aplicativo envia uma mensagem via SMS com um código de verificação ao número atual, que geralmente aparece como notificação na tela do celular. Se o suposto invasor tiver acesso ao celular da vítima, o mesmo poderá facilmente copiar esse código e se conectar a essa conta em qualquer outro aparelho celular.

Igor enfatiza que usuários que costumam utilizar o aplicativo (Web WhatsApp) através de computadores no trabalho ou mesmo em locais públicos, estão mais propensos a serem hackeados, por dois principais motivos:

O primeiro é o usuário fechar o navegador com o Web WhatsApp ainda conectado ao celular, sem efetuar o “logout” (deslogar o app do computador), o que deixa o aplicativo ainda ativo e, se o celular da vítima ainda estiver próximo ao equipamento recentemente utilizado, por ainda haver comunicação entre os dois aparelhos, qualquer pessoa poderá acessar e entrar nessa conta sem que seja necessária nenhuma verificação ou senha, e o pior, sem que o dono seja alertado ou tenha conhecimento.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
WhatsApp

O segundo motivo é ainda mais comprometedor, quando se utiliza um computador desconhecido para acessar o Web WhatsApp, que pode conter previamente instalado em seu sistema algum tipo de malware, que são “programas” destinados a furtar informações mais abrangentes, que além de acessar informações do WhatsApp da vítima, também conseguem ter acesso a todas as informações do celular, como fotos e vídeos da galeria, lista de contatos telefônicos, anotações, lembretes, etc.

Os golpistas estão se sofisticando cada vez mais e atualmente é possível “roubar” uma conta do WhatsApp mesmo que o celular não esteja perto dos criminosos, pois os mesmos utilizam desde informações pessoais da vítima para entrar em contato com a operadora e clonar o chip, até interceptar mensagens por ‘SMS’ que trafegam pelas torres de telefonia móvel.

Para ficar mais protegido dos golpes, o usuário pode adotar alguns critérios extras.

O WhatsApp disponibiliza uma função muito importante para aumentar a segurança do aplicativo, mas que poucas pessoas utilizam ou mesmo conhecem.

Trata-se do recurso de segurança de duas etapas, que solicita um código extra de seis dígitos sempre que o app for iniciado em outro aparelho.

Também é importante desabilitar a função que mostra uma prévia das notificações recebidas na tela do celular, para evitar visualizações alheias de parte dessas mensagens. Evite clicar em banners de anúncios publicitários em sites duvidosos e mantenha sempre um antivírus instalado e atualizado no seu aparelho.

Por fim, caso o usuário perceba algo suspeito em sua conta do WhatsApp, como o app começar a “deslogar” com frequência, aparecer pessoas estranhas em sua lista de contatos ou mesmo alterações involuntárias nas configurações do aplicativo, o mais indicado é tirar “prints”, ou seja, fotografar as telas suspeitas e realizar um backup de todos os seus dados, para se precaver de uma eventual exclusão maliciosa do invasor. Se possível faça um boletim de ocorrência e solicite informações às autoridades de como proceder nesse caso.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo