O blog "Notícias da TV", hospedado pelo portal UOL, publicou a informação de que o SBT - terceira maior emissora de Televisão do Brasil - censurou e trocou a dublagem da novela mexicana "Sortilégio" para atender aos seus critérios de exibição. A novela original apresenta o relacionamento entre os personagens Ulisses (Julián Gil) e Roberto (Marcelo Córdoba). Mas as cenas da intimidade do casal, que comprovaria a orientação sexual de ambos, foram cortadas pelo canal brasileiro.

Em 21 de novembro, o SBT transformou Roberto em hétero. Na versão mexicana, ele diz a Ulisses, em tom jocoso, que vai ver a sua "mulher". A dublagem trocou "mulher" por "Raquel", nome da falsa namorada, e fez o personagem suspirar, como se estivesse apaixonado por ela. Trocou a ironia original por uma declaração de amor velada.

Exibida de segunda à sexta às 16h15, o SBT disse que as mudanças foram feitas para "adequar a novela à classificação indicativa para o horário de exibição, de acordo com a lei". A classificação da novela no Brasil é de 10 anos. No entanto, o Ministério da Justiça não proíbe a exibição de relacionamentos homossexuais em momento algum do dia. Se um homem e uma mulher podem trocar abraços e beijos, parceiros homossexuais também podem.

No sistema de comentários do site que publicou a nota, várias pessoas distribuíram suas opiniões, muito divergentes por sinal. Foi possível encontrar defesas à atitude do canal, o definindo como um "canal da família". Alguns até disseram que os casos de AIDS aumentaram por culpa do "homossexualismo" (leia-se homossexualidade) e que as crianças não podem ver algo que não é natural.

Vejamos alguns pontos:

1) - Não interessa se o SBT é ou não o "canal da família". Sendo um canal familiar, ele não trocaria os personagens por garanhões que pegam todas as mulheres por aí. Traições não devem ser permitidas seguindo o conselho de família, correto? Mas o enredo da trama se baseia justamente nisso: enganos e traições - como o próprio canal descreve a página oficial da trama.

2) - Antes fosse canal familiar, o SBT foi o canal que exibiu o primeiro beijo entre pessoas do mesmo sexo em uma novela brasileira, antes mesmo da Rede Globo, maior emissora do país.

3) - O aumento dos índices de HIV não foi por causa do homossexualidade. Houve aumento de número. Dados do Departamento de Aids do Governo Federal apontam que "Quanto à forma de transmissão entre os maiores de 13 anos de idade, prevalece a sexual. Nas mulheres, 86,8% dos casos registrados em 2012 decorreram de relações HETEROSSEXUAIS com pessoas infectadas pelo HIV. Entre os homens, 43,5% dos casos se deram por relações HETEROSSEXUAIS, 24,5% por relações homossexuais e 7,7% por bissexuais. O restante ocorreu por transmissão sanguínea e vertical."

4) - Mesmo tendo derrubado a tese de alguns de que a homossexualidade está ligada a AIDS, não dá para entender ainda o que a cena censurada pelo canal tem a ver com sexo, ainda mais sem preservativo.

Tem gente que realmente liga o amor entre as pessoas apenas às relações sexuais. Uma pena.

5) - É importante ter disposição para ler, então pessoas preconceituosas precisam ler mais, aprender mais e se policiar mais antes de utilizar os dedos para escrever o que não sabem nas redes sociais. Só uma dica para passar menos vergonha!

6) - Algumas crianças, senão a maioria delas, falam palavrões e sabem muito mais sobre sexo do que imaginamos. Então não podemos ser hipócritas por colocar a desculpa de um pensamento preconceituoso na conta delas.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Curiosidades Televisão

Quem acha uma relação entre dois homens ofensiva e está reclamando são os adultos, não as crianças.

A atitude de remover uma simples troca de carinho entre dois seres humanos para não desagradar o público brasileiro - enquanto tiros, morte e violência são exibidos sem pudor e sem causar remorso - mostra que até o menos diversificado México, país da emissora Televisa (que gravou a novela), está a nossa frente quando o assunto é aceitar as diferenças.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo