Quando se trata de internet e redes sociais, a polêmica de hoje suplanta o burburinho de ontem, certo? Errado! Um grupo de mulheres que lutam pela causa dos negros no Brasil resolveu mostrar que esta máxima não tem sido seguida à risca.

Dispostas a não deixar os ataques racistas direcionados à jornalista Maria Júlia Coutinho,a Maju do Jornal Nacional, ocorridos no início de julho, morrerem no imaginário popular, a ONG Criola iniciou uma campanha no mínimo inusitada: está espalhando outdoors por todo o país com "prints" dos comentários maldosos publicados no Facebook.

As primeiras cidades a receberem os outdoors foram Americana (SP) e Feira de Santana, na Bahia (fotos). Em Recife, a comunicação está sendo feita em um ônibus. A ONG teve o cuidado de rastrear as páginas dos usuários para verificar quais eram de pessoas reais e quais eram ‘fakes’, utilizando, portanto, apenas as publicações onde os internautas “deram a cara a bater”.A identidade das pessoas, contudo, não está sendo mostrada.

Um dia é da fera, outro é da bela?

De forma bastante elegante, vestida de vermelho - talvez para mostrar toda sua força, talvez para variar mesmo em seu belo figurino - a garota do tempo do JN declarou na época que não estava abalada, que já lida com o preconceito racial há bastante tempo e agradeceu o apoio do público.

"Mas, é óbvio que isso mexe com qualquer um", comenta Fernando Borges, especialista em cobertura de assuntos relacionados à celebridades e Televisão. Para ele, chegou a vez dos racistas se sentirem envergonhados."A resposta está nas ruas: em Americana, em Feira de Santana. E vem mais por aí", declara em nota a ONG Criola, nascida em 2002, para defender e promover os “direitos das mulheres negras em uma perspectiva integrada e transversal".

Internautas reclamam a não identificação dos agressores

O mote da campanha é “Racismo virtual.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Famosos Televisão

As consequências são reais”. E a internet, como se diz, não perdoa: em todos os posts relacionados à campanha nas fanpages dos veículos de comunicação que repercutiram a iniciativa, há inúmeras pessoas dizendo que as fotografias e o nome dos agressores deveriam ser explicitadas.

Para Jurema Werneck, fundadora da Criola, identificar os agressores poderia levar a uma “caça às bruxas”. Em entrevista à Folha de S. Paulo, a ativista disse que o objetivo é “continuar dizendo que isso [a discriminação racial] não será aceito”.

Maju prefere o silêncio

A jornalista Maria Júlia Coutinho, ao que parece, não irá se manifestar sobre a campanha. Questionada pela Blasting News, até o momento do fechamento desta reportagem ela não respondeu. Também não há menções sobre o assunto em suas redes sociais, onde é bastante ativa.

“Eu a entendo, provavelmente não quer parecer que está tirando proveito desta situação. Isso mostra o quanto ela é superior. E nós, somos todos Maju!”, acrescenta o jornalista Fernando Borges.

De acordo com a Safernet, ONG especializada em investigar e prevenir crimes virtuais, mais de 86 mil casos de discriminação contra negros foram relatados em 17 mil sites no Brasil em 2014.

Você sabia que Maju Coutinho é só mais uma entre as milhares de vítimas? O que você achou desta campanha? Deixe seu comentário!

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo