A Marinha do Brasil divulgou algumas imagens feitas após o salvamento de mais de duzentas pessoas no Mar Mediterrâneo nessa sexta-feira (4). O navio brasileiro viajava rumo ao Líbano, quando trocaria de lugar com a Fragata União que faz parte da Missão da Paz da ONU.

No período da tarde, receberam um pedido da guarda costeira italiana sobre a existência de um barco que trafegava ilegalmente pelo mar, a fim de adentrar o Líbano. Cerca de pouco mais de uma hora após a solicitação, o navio de guerra da Marinha brasileira encontrou um barco com cerca de quatrocentas pessoas, sendo a maioria deles crianças e mulheres.

Duas embarcações da guarda costeira da Itália ajudaram no resgate.

Como o navio brasileiro era maior, ficou com a maior parte dos resgatados. O barco de imigrantes corria o risco e naufragar a qualquer momento em virtude da super lotação em que se encontrava.

Segundo o comandando do navio brasileiro, Alexandre Amendoeira Nunes, muitos dos resgatados estavam sem comer e beber água há pelo menos dois dias. Os imigrantes haviam partido da Líbia pelo mar em um barco simples de madeira há sete dias, e não possuíam mais suprimentos para sobreviverem mais tempo em alto mar. Muitos deles estavam muito debilitados. A Corveta Barroso possuía suprimentos suficientes para alimentar os mais de duzentos resgatados.

O comandante do Barroso disse que a Marinha Brasileira está preparada e bem treinada para salvamentos em alto mar e que isso é comum na rotina deles, entretanto, o resgate de imigrantes que fogem da guerra foi um fato inédito para todos os envolvidos.

Os melhores vídeos do dia

Quanto aos suprimentos, afirmou que também costumam estar preparados com alimentos e água, pois chegam a passar trinta dias no mar.

Além disso, o comandante Nunes informou que os imigrantes ficaram assustados quando viram se aproximar um navio estrangeiro, mas logo que souberam se tratar do Brasil ficaram mais tranquilos. Foram resgatados, alimentados e conseguiram dormir à noite. Depois a Corveta Barroso os deixou em um porto italiano.

Desde o começo do ano, milhares de pessoas já morreram afogadas ao tentar entrar ilegalmente na Europa. Essa semana, o mundo ficou chocado com mais imigrantes mortos, dessa vez uma família síria ganhou os holofotes, quando o corpo do menino Aylan Kurdi de três anos de idade foi encontrado em uma praia da Turquia. Quando o bote em que o menino estava virou de cabeça para baixo, seu irmão de cinco anos de idade e sua mãe também se afogaram. #Curiosidades #União Europeia