Otaviano Costa e Monica Iozzi não querem ficar conhecidos como apresentadores de programas de fofocas. Pelo menos foi isso o que eles deram a entender nesta sexta-feira, 06, quando durante o vespertino apresentado pela Rede Globo de Televisão respondeu à uma nota publicada pelo jornalista Daniel Castro. O profissional da mídia lembrou que a atração tem recorrido às famosas fofocas, ficando cada vez mais parecido com o quadro 'A Hora da Venenosa', comandado pela jornalista Fabíola Reipert durante o 'Balanço Geral São Paulo'. Na hora de sua exibição, Fabíola tem vencido o canal da família Marinho e feito o 'Vídeo Show' se reformular, falando de assuntos que até então quase não tocava, desde roupas de Famosos até separações problemáticas, como a de Joelma e Chimbinha, que por coincidência ou não, também virou pauta do 'Fantástico', 

Brincando com o assunto, Monica e Otaviano disseram que não podem ser chamados de fofoqueiros porque não tem maldade no que falam.

O marido de Flávia Alessandra disse que o programa faz 'Hard News' (reportagens), entretenimento e jornalismo. No entanto, minutos depois de falar isso, o 'Vídeo Show' exibiu um 'TOP 10' das separações milionárias da história. Se isso não é falar de fofoca, alguém explica para ele o que é. 

O curioso é que justamente no momento em que o 'Vídeo Show' foi chamado de fofoqueiro o programa recebeu o ator Paulo Betti, interpretando um blogueiro fofoqueiro que fez sucesso em 'Império', Teo Pereira, que até fez um biografia do protagonista da novela de Aguinaldo Silva, o Comendador José Alfredo de Medeiros (Alexandre Nero).

Monica revwla que está aprendendo a ser má

Paulo teve a missão de "ensinar" os comunicadores a fazer fofoca, dizendo que é preciso falar mal para fazer isso direito. Iozzi disse que não consegue fazer essas maldades com outros famosos, mas que estava aprendendo agora no 'Vídeo Show'.

Os melhores vídeos do dia

A atração consegue médias de 8 pontos na grande São Paulo. Cada ponto representa cerca de 67 mil domicílios na maior região do país.