Anúncio
Anúncio

A Record se deu bem mesmo quando o assunto foi audiência em 2015. Literalmente com a ajuda da bíblia, bons ventos vieram e com 'Os Dez Mandamentos' a emissora se tornou vice-líder na média ano. Pois é, o canal da Barra Funda ultrapassou pela primeira vez o SBT na chamada média 24 horas por dia nos 365 dias do ano. É bem verdade que a diferença entre SBT e Record é minúscula, mas registrada. 

Segundo informações do jornalista Ricardo Feltrin, em reportagem publicada nesta segunda-feira, 04, a Record fechou com 5,34 pontos de audiência e o SBT com 5,25 pontos.

Os dados são referentes a grande São Paulo, onde cada ponto representa cerca de 67 mil domicílios na maior cidade do país. Em um período que a TV aberta só cai no Ibope, o canal subiu 12% no Ibope.

Advertisement

Para cada televisor ligado, cerca de 3,3 telespectadores assistem TV. Isso significa que cada ponto no Ibope representa 200 mil pessoas em média em São Paulo. Na média 24 horas, a Record teve mais ou menos 1 milhão de pessoas assistindo sua programação, mesmo número registrado pelo SBT. 

Por causa de 'Os Dez Mandamentos', a emissora também viu seus números subirem no horário nobre. O capítulo mais assistido do folhetim adaptado por Vivian de Oliveira 28 pontos de média e 31 pontos de pico. Na média geral, a atração teve 16 pontos. Tanto Ibope fará com que a novela volte agora em março para exibir sua segunda parte.

No horário nobre, entre seis da tarde e meia noite, a Record cresceu 21% e foi para 9,6 pontos, antes 8 de 2014. A Globo também subiu se comparação ao ano anterior. O canal da família Marinho tinha 11,1 pontos e foi para 11,4.

Advertisement
Os melhores vídeos do dia

Apenas 3% de levante, mas que deram muita alegria ao executivo da rede de TV. Com a chegada do GfK, instituto alemão que vem fazer concorrência com o Ibope, espera-se que a medição possa sofrer alguma alteração para mais. Estima-se que a crise econômica tenha freado o número de assinaturas de TV a cabo e também do Netflix, serviço de Televisão por demanda. Basta saber se em 2016 teremos um novo crescimento.