Nesta quarta-feira, 06, um ator deu um susto na equipe de 'Os Dez Mandamentos - Nova Temporada', novela bíblica da emissora de Edir Macedo, a TV Record. Leonardo Vieira passou muito mal enquanto fazia mais uma das cenas de seu personagem, o feiticeiro Balaão, que deve fazer muitas maldades nessa fase da trama assinada por Vivian de Oliveira. De acordo com informações do jornalista Leo Dias do Jornal O Dia em reportagem publicada nesta sexta-feira, 08, durante as filmagens Leonardo começou a sentir calafrios estranhos, preocupando a todos. 

Seus colegas de trabalho acreditaram até que o pior pudesse estar acontecendo e que ele estava enfartando.

Depois de não continuar a trabalhar, Vieira precisou ser socorrido pela novela que é feita em parceria com a Casablanca, uma produtora paulista que também ficou responsável por 'Escrava Mãe'. O profissional da dramaturgia então foi levado às pressas para um hospital perto do RecNov, centro de produção de Novelas da Record localizado na Zona Oeste do Rio de Janeiro. 

Por conta do mal estar do ar, as gravações que o envolviam precisaram ser canceladas. Não há a informação de que isso tenha de algum modo atrapalhado a continuidade de 'Os Dez Mandamentos'. Os atores estão trabalhando a pleno vapor e segundo o jornalista Flávio Ricco, muitos tem até reclamado de fome.

A informação sobre o mal estar de Leonardo Vieira foi confirmada pela assessoria da Record. Já a denúncia de Flávio Ricco ainda não foi comentada pelo canal.

Os melhores vídeos do dia

Voltando ao intérprete de Balaão, a assessoria da emissora diz que Leonardo se sentiu mal durante as filmagens e que foi medicado. Ainda segundo a própria Record, a orientação é que ele passe os próximos dias em casa e de repouso. O profissional da dramaturgia voltará a trabalhar apenas na segunda-feira, 11. 

Segundo a Record, Leonardo sobre com um pico de pressão. Será que ele estava trabalhando demais ou foi apenas uma fatalidade? Certo mesmo é que pelo menos a novela é um sucesso de audiência e de crítica, marcando em torno de 17 pontos na grande São Paulo, onde cada ponto representa cerca de 69 mil domicílios.