Depois que Luzia já descobriu que Santo e Tereza voltaram a ter contato, chega a vez de Carlos Eduardo flagrar os dois também. Mas enquanto a esposa ciumenta só viu uma conversa entre os namorados de juventude, o deputado pega os dois no maior clima de romance! Confira a cena que a colunista de O Globo adiantou.

A sequência começa quando Afrânio e Martim se trancarem no bar de Chico Criatura para uma conversa definitiva.

Como pai e filho se desentenderam há muitos anos (saiba o motivo da briga clicando aqui), a movimentação preocupa o dono do bar. É nesse momento que Santo passa e vê o amigo do lado de fora do próprio comércio. Ele fica preocupado e se aproxima para saber se pode ajudar em alguma coisa.

Chico Criatura explica tudo o que está acontecendo e Santo decide ir embora sem se intrometer. Mas assim que o agricultor se vira, ele dá de cara com Tereza chegando no bar.

A mãe de Miguel mostra preocupação com o que pode estar acontecendo entre o pai e o irmão, então Santo oferece ajuda a ex.

Como sempre acontece, os namorados de juventude não conseguem ficar juntos sem que um clima forte surja entre os dois. E quando a coisa começa a pegar fogo, Carlos Eduardo chega no bar e flagra os dois! Enfurecido de ciúmes, ele questiona o que Santo está fazendo ao lado de sua esposa.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Novelas

A filha do coronel se recompõe e explica que está preocupada com a conversa de Afrânio e Martim.

O deputado insiste em saber se é isso mesmo que está acontecendo, então Santo percebe que é melhor se retirar. Ainda com raiva, o marido de Tereza provoca, dizendo que seria melhor se o rival nem tivesse aparecido. Mas Tereza defende o ex ao dizer que ele só queria ajudar. Ao ver a esposa do lado do agricultor, Carlos Eduardo explode: "Ajudar?! Francamente. Se o coronel vê esse sujeitinho aqui, ou só ficar sabendo disso, isso aqui termina em tragédia. E com razão!".

Santo não aguenta mais engolir desaforo e responde que se tiver alguma coisa contra o “sujeitinho”, os dois podem resolver ali mesmo.

Nessa hora, Carlos exita, por medo, e apenas responde que está mais ocupado com o assunto de família. "Não tenho nada com essa família, deputado. E não quero ter! Então seria bom o nobre colega medir bem o jeito que fala comigo! Eu não sou “essa gente”, nem “sujeitinho” nenhum. Tenho nome e o deputado sabe muito bem qual é!", encerra Santo, que vai embora enfurecido.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo