A Globo pode não exibir ou adiar uma entrevista de MC Biel ao "Fantástico", motivada pela denúncia de uma jornalista do portal iG, que acusou o músico de assédio sexual.

Segundo a coluna Outro Canal, do jornal Folha de São Paulo, a equipe da revista eletrônica semanal aguarda o desenrolar das investigações para decidir quando o material irá ao ar.

Ele gravou para o semanal com o youtuber Christian Figueiredo, que comanda a série "Me Conta Lá no Quarto", na qual conversas são realizadas no quarto de adolescentes com debates sobre temas considerados difíceis para eles.

A respeito da denúncia de assédio sexual, a jornalista acusou o funkeiro por meio de uma reportagem publicada no portal, argumentando que ele a chamou de "gostosinha" e falando até que a "quebraria no meio".

A atitude do artista fez com que o Comitê da Rio-2016 voltasse atrás no convite para que ele conduzisse a Tocha Olímpica na última terça-feira (07).

Em nota, o Comitê afirmou que espera que o caso seja resolvido da melhor forma possível, no entanto, enquanto o mesmo é investigado, prefere não ter a imagem vinculada ao fato, especialmente porque o revezamento da Tocha visa passar uma mensagem de paz.

A denúncia foi feita pela profissional na 1ª Delegacia da Mulher de São Paulo. Tanto a vítima quanto Biel deram depoimentos e testemunhas serão ouvidas, conforme informou a Secretaria de Segurança Pública ao portal G1.

Nas redes sociais, Biel disse no último domingo (05) que o sucesso e a felicidade incomodam e tratou a situação como mal entendido. Chamado de machista, o cantor respondeu que ainda não se considera homem, e sim um menino que brinca sem papas na língua.

Os melhores vídeos do dia

Ele destacou ainda que, se coisas que falou fossem por maldade, não as teria dito pois estava sendo filmado e com mais pessoas ao redor. Ele ainda chamou a jornalista de "chapeuzinho vermelho", dizendo que somente a versão dela foi ouvida e que o lobo mau sempre será o vilão.

Por fim, o famoso destacou que deve satisfações somente aos fãs, "baladeiros e baladeiras" e que "agora chega", "vamos viver!".