Francisco de Assis Santiago, promotor do 2º Tribunal do Juri do Fórum Lafaiette, afirma que pretende fazer denúncia contra o cunhado de Ana Hickmann, Gustavo Henrique Bello, por homicídio. Ele se posicionou contrário ao delegado Flávio Grossi, do Departamento de Investigação de Homicídios e Proteção à Pessoa (DIHPP), logo após conclusão do inquérito, informando que Gustavo só atirou para defender a si e às pessoas que estavam sofrendo ameaças de morte por parte de Rodrigo, quando este entrou enlouquecido no quarto do hotel onde a apresentadora estava hospedada, tentando matá-la.

Segundo o jornal "Estado de Minas", o promotor teria adiantado que a denúncia está sendo concluída e seria enviada ainda na quinta-feira (7), para apreciação da Justiça.

Gustavo afirma que, só depois de ver Rodrigo Augusto de Pádua,  de 30 anos, atirar em sua esposa, Giovana Alves de Oliveira, que também é assessora da apresentadora,  reagiu efetuando três disparos contra o fã que parecia fora de controle. Se o pedido for aceito, ele passará a ser réu. A assessoria de Ana se nega a falar sobre o assunto, pois diz que, até o momento, não recebeu nenhuma notificação da promotoria. O advogado que está cuidando do caso, Mauricio Bemfica, disse ao Jornal Extra que é impossível para a defesa falar sobre a denúncia do promotor e que um possível parecer deveria sair no final do dia.

Na noite de quarta-feira (6), Ana Hickmann postou uma foto sorridente ao lado de Gustavo e de Giovana, e na legenda ela escreveu "Família é tudo". Contudo, ao saber da denúncia do Ministério Público, nesta sexta-feira (8), a apresentadora do 'Hoje em Dia' desabafou sua revolta nas redes sociais, postando um comentário sobre o decisão.

Os melhores vídeos do dia

"Revolta: sentimento de oposição, ódio, raiva, repulsa, cólera e até indignação que a corrupção no país provoca", escreveu ela, demonstrando claramente sua revolta diante da decisão da justiça de tentar incriminar seu cunhado, que, segundo ela, só quis salvar sua vida e da esposa, agindo em legítima defesa. #Ataque #Comportamento #Casos de polícia