Na última quarta (13), o SBT estreou a série "A Garota da Moto", uma co-produção entre a emissora paulista, a Fox Life e a produtora Mixar. Contando a história de uma motogirl que trabalha para sustentar um filho, com o apoio do pai, a produção empolgou pela qualidade cinematográfica, embora algumas críticas tenham sido feitas às tramas secundárias.

Contando com um elenco quase desconhecido do público - à exceção de Daniele Escobar -, a série tem como protagonista Chris Ubach. Misturando ação e suspense, poderíamos dizer que se trata da história de uma jovem que se equilibra entre os perigos das ruas e os domésticos: a viúva do homem com quem teve um relacionamento procura eliminá-la junto com o filho para poder desfrutar da herança sem dividir.

Ao mesmo tempo, ela se vira nos desafios e perigos da cidade para conseguir sustentar o filho Enzo. Em São Paulo, a série estreou com 10,4 pontos e registrou alta para 11 pontos no segundo episódio.

Trama

A trama central é forte e empolgante, bem ritmada com as cenas de ação, suspense e um toque de humor. As secundárias, apesar de não estarem bem conectadas, agradam pela qualidade e boa atuação de todo o elenco, inclusive da criança (Enzo Baroni), o que mostra a competência do diretor em orientar bem os atores.

Audiência

Para os padrões do canal que não costuma investir em produções próprias, a audiência é alta: no segundo episódio foi a maior entre todos os programas exibidos no dia.

Críticas

Um dos pontos criticados, tanto por colunistas como pelos internautas é a inserção de atores da série, em estúdio, explicando a história. Uma opção seria só voz ao fundo sob as imagens destacadas, em preto e branco, por exemplo. Daria um ar de metalinguagem, sem deixar tosco.

Qualidade de Produção

A série é um exemplo da qualidade e competência do brasileiro na construção do audiovisual.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Televisão Seriados

O SBT, sempre criticado por investir pouco em novas produções e aproveitar reprises, supera-se: a Globo e a Record, por exemplo, já tem uma caminhada quanto à produção de séries.

Apoio

A Agência Nacional do Cinema (Ancine) liberou verba para a produção.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo