Anúncio
Anúncio

Nesta terça-feira (4), mais um participante do “Big Brother Brasil 17”, reality show apresentado pela Rede Globo, foi eliminado. No paredão, se enfrentaram o cirurgião plástico Marcos e o advogado Ilmar.

O décimo paredão do reality recebeu 112.889.105 milhões de votos – o terceiro maior número de votos da história do programa que começou a ser exibido em 2002 e chegou à 17ª edição neste ano.

Ilmar foi eliminado com 55,92% dos votos, contra 44,08% de Marcos. Advogado de causas indígenas, Mamão, como era conhecido na casa, é filiado ao Partido dos Trabalhadores (PT).

Anúncio

Na saída do programa, ao vivo, ele disse que estava feliz. “Estou muito feliz, tive mais votos que o Aécio”, afirmou Ilmar, que comentou ainda que até a ex-presidente Dilma Roussef teria votado nele.

Números

O paredão do BBB funciona da seguinte forma: as pessoas votam no participante que querem que deixe a casa.

Neste caso, os votos favoráveis a Ilmar seriam aqueles dados a Marcos – os 44,08%.

Neste cenário, Ilmar recebeu 49.761.517 votos a favor. Este número é menor do que a quantidade de votos recebida por Aécio Neves nas eleições de 2014. O tucano foi votado por 51.041.155 pessoas.

Agora se Ilmar estava considerando os votos dados nele – para que ele saísse do programa – aí, sim, ele superou em muito os números alcançados por Aécio Neves. Os 55,92% de votos no BBB representa 63.127.587.

De qualquer forma, a frase de Ilmar foi bastante usada nas redes sociais para tirar sarro do senador Aécio Neves, que não deve ser o concorrente do PSDB nas eleições do ano que vem.

Anúncio
Os melhores vídeos do dia

Carreira política

Morador de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, em 2014 Ilmar bateu boca com o governador André Pucinelli, durante show no Parque das Nações Indígenas. No Partido dos Trabalhadores (PT) foi secretário da Juventude. No mesmo ano, tentou ser candidato a deputado estadual pelo estado.

Mamão é professor de Filosofia e Sociologia de ensino médio e atua como advogado no RENAP (Rede Nacional dos Advogados Populares) e nos Movimentos de Cultura Urbana.