Joyce Mattos vive uma verdadeira novela com o ex-patrão, Compadre Washington. A ex-dançarina do 'É o Tchan' usou as redes sociais para acusá-lo de sabotar o seu novo projeto musical.

Os dois possuem problemas que se estenderam para a esfera judicial desde fevereiro desse ano, quando Joyce divulgou um vídeo acusando Washington de oferecer a ela e a Zanza Pereira péssimas condições de trabalho.

Agora, no entanto, ela está com um novo projeto e tenta se inserir no mercado com a banda Minaloka, com o ritmo arrochadeira, que, segundo ela, é muito popular no interior da Bahia.

Mas a morena afirmou que, apesar de entrar em contato com diversos veículos baianos e agendar entrevistas com jornais, revistas e rádios, a imprensa está desmarcando frequentemente esses encontros.

A moça sugere que alguém tem sabotado a sua participação na mídia para que a banda não entre no circuito comercial. Embora não cite o nome de Compadre Whashington, fica clara a sua sugestão de que o líder do É o Tchan é o responsável por tal sabotagem.

Em determinado momento, ela diz que está sendo perseguida, e que embora não queira acusar sem provas, ela sabe quem é devido ao histórico de confusões.

Polêmicas e brigas com dançarinas marcam a história do É o Tchan

O grupo entrou em voga nos anos 90, e foi um verdadeiro fenômeno. Na época, todas as festas e eventos tocavam os seus hits dançantes.

Para eleger uma dançarina quando aconteceu uma substituições, foi realizado um concurso no programa do Faustão, que marcava picos de audiência.

Os melhores vídeos do dia

Mas o sucesso estrondoso da banda foi marcado também por desavenças e brigas.

Em entrevistas, Compadre Whashington afirmou ter tido um caso duradouro com a morena Scheila Carvalho, que nega o ocorrido. Apesar de viverem em clima de descontração durante a fama do grupo, os músicos e bailarinos não mantém contato nem amizades desde o rompimento.

Scheila Carvalho, Sheila Mello e Carla Perez são as integrantes que mais fizeram sucesso na banda, que já contou com mais de 20 mulheres para assumir os papeis de “loira e morena”.

Joyce Mattos passou 5 anos ao lado de Compadre Washington

A dançarina Joyce Mattos esteve por cinco anos no grupo. Em um vídeo divulgado no começo do ano, fez graves acusações relacionadas às precárias condições de trabalho.

Segundo a moça, ela e a companheira Zanza eram obrigadas a dançar em um espaço delimitado, que era muito próximo aos músicos da banda, o que impedia os movimentos.

O estopim aconteceu durante uma apresentação na cidade Juiz de Fora, em Minas Gerais, em que Joyce alega que ela e Zanza foram expulsas do palco por não conseguirem ficar dentro das tais linhas de demarcação.