O Brasil passa por momentos decisivos no que se refere à economia e ao desenvolvimento. Enquanto a Rede Globo ganhou a antipatia de muitos brasileiros, o SBT vinha se destacando pela sua imparcialidade política.

A emissora de Silvio Santos, contudo, começou a ser alvo de críticos e telespectadores. O MPT-DF (Ministério Público do Trabalho no Distrito Federal), inclusive, abriu um inquérito alegando que a emissora estava exibindo "chamadas publicitárias com informações duvidosas sobre a reforma trabalhista".

As chamadas veiculadas vinham com um certo sensacionalismo e em tom opinativo, apontando que a reforma seria a "única alternativa para que o país saísse da crise que vem tirando sono dos investidores".

Uma das mensagens veiculadas pela emissora dizia: "Você sabe que se não for feita a reforma trabalhista, você pode deixar de receber o seu salário?"

Para a procuradora Renata Coelho, tal afirmação é completamente errônea, sem base enfática ou documental.

Por esse motivo, a emissora terá que veicular mensagens reflexivas e educativas sobre o tema, sem qualquer caráter político ou ideológico. O não cumprimento de tal exigência acarretará na multa de R$ 10 mil por cada veiculação contrária.

O SBT se pronunciou e alegou que as chamadas tinham a finalidade de apenas trazer reflexão dos telespectadores acerca do assunto.

Sobre as mensagens

Em abril deste ano, a emissora veiculou algumas chamadas afirmativas e simpáticas à reforma, alegando que essa seria a única alternativa do Brasil.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Televisão Silvio Santos

Segundo especialistas , esse tom poderia influenciar os brasileiros menos informados.

A nova chamada que será veiculada na empresa de Silvio deverá se seguir por trinta dias consecutivos. O SBT também alegou que a emissora é idônea e prima pelo cumprimento da legislação. Vale lembrar que a emissora não recorreu da decisão e prontamente fez as adequações necessárias exigidas pela procuradora Renata Coelho.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo