Quando a série de TV Game of Thrones, exibida pela HBO, ultrapassou os livros que adapta (As Crônicas de Gelo e Fogo, de George R. R. Martin), não havia mais como prever o que aconteceria nos próximos episódios. Foi-se o tempo em que se poderia gravar a reação boquiaberta de quem não leu a obra e assistia o Casamento Vermelho sem fazer ideia do que aconteceria.

Agora, todos ficam de boca aberta vendo a cada episódio, mais e mais momentos épicos. Mesmo com todas as teorias e vazamentos que já circulavam na internet, ver, neste domingo à noite (27), o Rei da Noite montando um dragão de gelo (saudades Viserion) e derrubando a muralha para o exército de zumbis passar é simplesmente o que de melhor já se viu na televisão em termos de qualidade visual e escalada narrativa.

Quando estreia a próxima temporada HBO?

O episódio começou com o encontro entre Cersei Lannister, Daenerys Targaryen e Jon Snow, respectivamente rainha louca, rainha legítima e rei do norte. Com uma série de microrreencontros importantes para a trama (Brienne e Cão, Cão e Montanha, Podrick e Tyrion, Bronn e Tyrion, Jaime e Brienne) e diálogos interessantes que voltam a estabelecer em que ponto estas relações estavam em temporadas passadas e onde estão agora, a primeira cena com a presença de Cersei, Daenerys e Jon foi marcada pela tensão.

Mesmo com o Cão apresentando o Walker, que, assustadoramente, poderia ter matado Cersei e encerrado essa história toda, e Jon demonstrando mil e uma maneiras de eliminar esta praga, a rainha que ocupa o Trono de Ferro só aceitaria o cessar fogo e participar da batalha se Jon não se envolvesse na guerra entre ela e a Mãe dos Dragões.

Não foi surpresa alguma Jon, símbolo da honestidade (aliás, ele respondeu aos críticos que comparam as atitudes dele com as de Ned), ter declarado aos Sete Reinos que apoiava Daenerys, logo "não poderia seguir duas rainhas".

Tyrion, em um discurso emocionado e brilhante atuação de Peter Dinklage, convence a irmã a voltar à reunião e participar da "guerra que importa".

Depois, se descobre que era um blefe de Cersei, ao qual seu irmão, Jaime, não tolerou. Jaime Lannister, voltando ao seu momento brilhante de honestidade que a muito não se via, desafia a rainha e vai para Winterfell, lutar com Jon, Daenerys e Tyrion. Enquanto isso, como parte do plano da rainha louca, Euron Greyjoy foi buscar o exército da Companhia Dourada, que lutará por ela nessa batalha sem sentido lógico.

Winterfell

Sansa está caindo no papo do Mindinho. Arya está estranha, agindo como se a irmã dela fosse a inimiga. O Bran sumiu quando mais precisávamos dele. Todas essas afirmações muito feitas nas redes nos últimos episódios entraram em colisão quando Sansa convoca Arya para um "julgamento" e revela estar julgando Mindinho por traição e assassinato. Por ter matado Lysa e Jon Arryn, por ter conspirado contra Ned Stark, por ter vendido-a aos Bolton, Sansa sentencia Mindinho a morte. Bran, ao seu lado, revelou o que sabia. Arya executou a sentença. Verdade é que o personagem já estava sobrando na série, não fará falta na última temporada.

Sam Tarly chegou à Winterfell e, junto com Bran, descobriu que Jon Snow na verdade é filho de Rhaegar Targaryen e Lyanna Stark, em caso legítimo, o que torna o bastardo de Winterfell o herdeiro legítimo dos Sete Reinos, vindo antes de Daenerys na linha sucessória.

Aliás, seu verdadeiro nome é Aegon Targaryen. Agora, vai ser interessante ver na próxima temporada (se a ansiedade permitir viver até lá) como se dará a relação amorosa (já consumada neste episódio) entre Jon "Aegon Targaryen" Snow e Daenerys Targaryen (sua tia).

O episódio termina com o Rei da Noite montado em Viserion derrubando a Muralha para desespero de Tormund e Beric Dondarrion. Muitos patrulheiros morreram enquanto tentavam fugir do fogo azul gelado que soprava o dragão. O exército dos mortos cruzou a muralha em direção às vilas, castelos, lordes e plebeus do Norte.

Esta batalha promete ser ainda mais épica do que essa temporada foi, só esperamos que não seja baseada apenas em momentos que teorizamos e esperamos há anos.

Ainda queremos ser surpreendidos por reviravoltas, mesmo que a série esteja caminhando para um objetivo e tudo se reduza a dois lados: os já mocinhos e os já malvados. Já não temos tons de cinza agora que o inverno chegou.

Que venha a última temporada em 2018, mas a HBO, talvez, só a lance em 2019.

Siga a página Game Of Thrones
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!