Nesta sexta-feira (22), Ali Kamel, diretor geral de Jornalismo da Rede Globo de Televisão, através de comunicado, tomou uma atitude extrema em relação ao caso de racismo envolvendo o famoso jornalista William Waack [VIDEO], de 65 anos de idade. O jornalista e apresentador, que presta serviços à emissora há mais de 20 anos, estava afastado de suas atividades no Jornal da Globo desde 8 de novembro, após a grande polemica envolvendo seu nome.

Conforme Kamel, foi decidido pela TV Globo, juntamente com Waack, que o término consensual do contrato de prestação de serviços é o melhor caminho a ser seguido.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Famosos

O afastamento de Waack começou logo após Diego Rocha Pereira, ex-operador de VT da emissora, ter divulgado um vídeo nas redes sociais com imagens do jornalista fazendo declarações racistas durante eleição nos Estados Unidos no ano de 2016.

O episodio ocorreu antes do diretor da Brasil Institute, Paulo Sotero, do Wilson Center, em um estúdio próximo à Casa Branca, entrar ao vivo. Nas cenas é possível ver Waack se irritando com o som de uma buzina de um carro e dizendo que aquilo era “coisa de preto [VIDEO]”.

As imagens do vídeo só chegaram à web após a publicação do vídeo em um grupo do WhatsApp [VIDEO] dos editores de TV. No comunicado, a emissora também manifesta seu sentimento de repudio ao racismo e destaca as contribuições do jornalista durante o período que esteve junto à emissora.

William Waack é graduou-se em Jornalismo na PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo) e iniciou sua carreira na Globo trabalhando como correspondente na Inglaterra no ano de 1996. Somente no ano de 2000, o jornalista voltou ao Brasil para atuar como repórter na produção de séries especiais para o ‘’Jornal Nacional’’ e também em outros telejornais.

Na sequência, no ano de 2005, passou a ser âncora do ‘’Jornal da Globo’’.

O âncora também esteve nas redações do ‘’Jornal da Tarde’’, ‘’Jornal do Brasil’’, ‘’O Estado de São Paulo’’ e na revista ‘’Veja’’.

Casos semelhantes

No mês de setembro Boris Casoy, apresentador do telejornal da Band, teve que indenizar o gari José Domingos de Melo, que sentiu ofendido após o âncora ter feito um comentário em 2010. Na época, o gari apareceu numa vinheta dando “feliz Natal”. Porém, por ter ocorrido um problema técnico, o áudio com a voz de Casoy foi para ar afirmando “que merda, dois lixeiros desejando felicidades do alto das suas vassouras. O mais baixo na escala do trabalho.”

No ano de 2005, no ‘’Jornal Nacional’’, William Bonner se envolveu em escândalo, após afirmar que telespectador médio do telejornal recorda o personagem Homer Simpson, do desenho “Os Simpsons”. Na ocasião, Bonner pediu desculpas, declarando que exemplificou usando o personagem Homer devido ele representar a figura paterna na família, ser um trabalhador simples, sem graduação, que, após expediente, ao chegar em casa, quer saber as noticias diárias mais importante de maneira objetiva e clara.

Pedro Bial, em 1998, no programa ‘’Fantástico’’, quando era exibido uma reportagem a respeito do Ballet Kirov , falou que “isso é coisa de veado”.