O promotor de Kustiça, Francisco de Assis Santiago, quer uma pena de 6 a 20 anos de prisão e júri popular para o empresário Gustavo Henrique Bello Correa, que salvou a vida de sua cunhada, Ana Hickmann, atirando contra Rodrigo Augusto de Pádua, que tentou matá-la em um quarto de hotel localizado em Belo Horizonte, em 2016. Na manhã desta segunda-feira (18), Gustavo Correa participou de mais uma audiência de instrução no processo da morte de Rodrigo de Pádua.

Publicidade
Publicidade

Apesar de alegar legítima defesa, o empresário está sendo acusado de matar o invasor de forma intencional.

Ao ser questionado, o promotor de Justiça do Ministério Público de Minas Gerais respondeu dizendo que pedirá uma pena de seis a vinte anos de prisão a Gustavo Correa, pois, segundo ele, a lei não diz que podemos matar alguém, mas sim que podemos nos defender de alguém. Sendo assim, para o promotor, Gustavo matou o invasor de forma intencional, pois a 'vítima' (modo como o promotor se referiu ao invasor) já estava dominada e mesmo assim Gustavo deu três tiros na nuca de Rodrigo de Pádua, com a arma encostada.

Gustavo Corrêa, cunhado de Ana Hickmann, pode pegar até 20 anos de prisão.
Gustavo Corrêa, cunhado de Ana Hickmann, pode pegar até 20 anos de prisão.

Sendo assim,o promotor alega que isso é crime de homicídio. Além disso, o representando de Ministério Público de Minas Gerais disse que a decisão sobre o caso provavelmente deve sair em março/2018, pois ainda há fases do procedimento.

O irmão do invasor que tentou assassinar a apresentadora, Helisson Augusto de Pádua, foi uma das testemunhas ouvidas hoje na audiência. Ao ser entrevistado pela imprensa, Helisson de Pádua disse que jamais imaginaria que o irmão se envolvesse em algo assim e que a família continua imensamente abalada com a situação.

Publicidade

Helisson disse que a dor de seu pai é muito grande por ver as pessoas olhando seu irmão, Rodrigo de Pádua, apenas como um psicopata, mas esquecendo que ele tinha uma família constituída por um pai trabalhador e uma mãe que batalhou muito na vida para educar cinco filhos. Disse que ninguém sabe como é o dia-a-dia da família e o que eles têm passado após a morte de Rodrigo de Pádua, que era seu irmão caçula. Helisson disse que quer que a justiça seja feita e que o empresário Gustavo Correa tem que responder pelo que fez, pois seu irmão foi morto e perdeu o futuro de sua vida.

Contou que seus pais choram todos os dias e que para eles a vida não tem mais sentido. Além disso, Helisson de Pádua falou que não há provas de que o irmão atirou dentro do quarto do hotel.

Por outro lado, Gustavo Correa usou sua conta do instagram, na semana passada, para questionar a ação contra ele. Confira:

Hoje pela manhã, a apresentadora Ana Hickmann pediu orações pelo cunhado, em sua conta no Instagram.

A audiência terminou na manhã desta segunda-feira, por volta das 11h30.

Publicidade

Na saída, o advogado José da Costa, que defende o empresário Gustavo Correa, rebateu as acusações de que seu cliente teve a intenção de matar, alegando que Gustavo sofreu ameaças por quase meia hora, tendo arma apontada para a sua cabeça e ainda entrou em uma luta corporal com o agressor por quase 10 minutos, sendo uma luta pela vida ou pela morte, o que torna o caso legítima defesa sim. Além disso, o advogado disse que o promotor precisa estudar e entender um pouco mais sobre o que é legítima defesa.

Publicidade

Gustavo Correa, que está como réu, disse que sempre esteve muito aliviado, independente da decisão favorável ou não, pois ele fez o que tinha que ser feito para salvar a sua família e a sua vida. Além disso, o empresário disse que faria tudo de novo, pois ele não teve outra opção.

Leia tudo e assista ao vídeo