Quem navegou pelo Instagram nesta última quarta-feira, dia 24, deve ter se deparado com uma foto de Izabella Camargo, a moça do tempo da tevê Globo, exibindo a consequência de um descuido comum entre jovens adultos e adolescentes. Na região do pescoço, próximo da orelha havia uma infecção exibida em foto no Instagram. O simples fato de cutucar a orelha fez uma acne comum evoluir para um quadro Grave de infeção de pele. Com febre e mal-estar, consultou sua médica que chamou-lhe a atenção: "mexer em espinhas, e em região de gânglios. Nunca mais faça isto".

Aprendendo com a lição

Foram dias de estresse lutando contra o problema.

Izabella não perdeu tempo em alertar seus seguidores do perigo de tocar em espinhas. Este é um problema recorrente entre jovens, mas não há idade para as acnes aparecerem. Elas podem evoluir para cistos e nódulos. A preocupação, portanto, entre jovens adultos e adolescentes em especial é mais do que compreensível, pois a depender da evolução do problema, pode afetar a aparência e a autoestima. A apresentadora, como qualquer um, sentiu-se incomodada e deve ter tocado, de alguma forma imprudente o local da inflamação. Mas ainda bem que o problema não evolui para mal maior e não passou de um susto temporário, já ultrapassado.

O que são acnes?

Embora sejam chamadas também de espinhas, popularmente, acne é o nome cientifico do problema. Geralmente provocam espinhas ou cravos. Quando são grandes e profundas é porque se transformaram em lesões císticas, e aí requerem um tratamento mais sério.

É um problema tão comum quanto tratável, mas não deixa de ser um incômodo para a beleza de uma mulher. O dermatologista é o profissional indicado para orientar no tratamento da anomalia. Dependendo do caso, ela vai indicar antibióticos ou cremes poderosos disponíveis no mercado, mas com exigência de receita medica.

Cantora e dançarina

Izabella Camargo já pertenceu ao SBT antes de ser contratada pela rede Globo como repórter do tempo. Na emissora de Silvio Santos, ainda menina, participou do “Fantasia” cantando e dançando com outras baixinhas; período que só lhe traz boas lembranças. “"Foi ali que recebi a primeira orientação sobre minha voz e procurei um curso de rádio” conta a Paranaense, hoje com 36 anos. Diz que dorme as 17 horas para apresentar o “Hora 1”, onde agora é âncora. Ela não se incomoda com o título “moça do tempo”. “O título de "moça do tempo", aliás, não é um incômodo, ela garante. "Está no inconsciente coletivo, acho até graça! Ainda mais com 36 anos e com alguns cabelos brancos...", brinca.