A linda e talentosa atriz baiana Priscila Fantin [VIDEO], como 35 anos, concedeu no dia 16 de fevereiro, sexta-feira, entrevista à jornalista Mariana Godoy no programa que leva o mesmo nome da apresentadora, a saber, “Mariana Godoy Entrevista”, onde abordou um pouco sobre a terrível doença da depressão que a acometeu a dez anos atrás.

Enfim, nem mesmo uma carreira artística ascendente bastou para que a moça evitasse sofrer com a depressão.

Por outro lado, Priscila fez questão de deixar claro que o teatro foi um instrumento essencial para que ela pudesse passar por alto esse terrível inimigo, o qual parece roubar a identidade de forma covarde dos que por ele são acometidos.

A atriz disse de modo comovente disse a Mariana Godoy, que a depressão representa uma verdadeira “morte em vida”; [VIDEO]sendo que, o indivíduo passa a não sentir mais nada, como, por exemplo, alegria, tristeza, raiva, isso é, nenhum sentimento.

Fantin disse que as atividades esportivas também lhe foram muito úteis na superação do problema, uma vez que isso a auxiliou a sair do estado de estagnação que se encontrava. Do mesmo modo, o teatro serviu no processo de cura, transformando positivamente a sua doença em Saúde.

A famosa aproveitou o encontro com a jornalista e revelou um pouco mais sobre os trabalhos de cunho social que realiza, já que a moça possui uma preocupação para lá de relevante com os semelhantes, pois segundo ela tem muita gente carecendo de ajuda e apoio.

Síntese do que é a doença da depressão e suas consequências

Trata-se de uma patologia, também entendida como um distúrbio afetivo, que se alastra desde os primórdios da raça humana, debilitando a autoestima, provocando vivências de tristeza, inferioridade e pessimismo, [VIDEO] os quais muitas vezes têm efeito potencializador manifestando-se em conjunto.

Não há uma idade específica em relação aos doentes por depressão, mas a ciência conseguiu determinar que a depressão acomete regiões químicas distintas do cérebro, provocando o desequilíbrio dos neurotransmissores.

A partir desse quadro é comum que o doente apresente o que é chamado de falta de interesse social e recorrência de sensações de angústia, ansiedade, prostração, medo, comportamento indeciso, cólicas intestinais, digestão desregulada, diarréia, azia, flatulência, enxaquecas e mais dores, que não encontram justificativa médica para estarem acontecendo.

Não há uma cura específica para a depressão; porém, os avanços médicos e tecnológicos, permitiram a produção um número superior a 30 remédios que atuam diretamente no tratamento da depressão, que até pouco tempo estava envolvida em um grande mistério.