A cantora Anitta resolveu falar, nesta segunda-feira (19), sobre a morte da vereadora carioca Marielle Franco (PSOL), que foi assassinada na última quarta-feira (14), no bairro de Estácio, no Rio de Janeiro. Fãs da cantora estavam reclamando do silêncio dela diante da morte da vereadora.

O problema é que os fãs esperavam outro tipo de texto de Anitta. Na postagem que fez no Instagram, a cantora começou afirmando que só resolveu agora o que planejava para daqui três meses porque internautas começaram a destilar ódio contra ela.

No texto, Anitta não falou apenas sobre Marielle Franco. A cantora também citou João Hélio [VIDEO], garoto morto durante assalto no Rio, em 2007.

O menino de 5 anos estava no carro da mãe, quando foram roubados.

Na correria, ele ficou preso no cinto de segurança e foi arrastado durante alguns metros. A morte chocou o Brasil e repercutiu em todo mundo. Anitta perguntou se ainda lembrados de João Hélio.

A ícone do pop nacional citou ainda a juíza Patrícia Acioli [VIDEO], executada em agosto de 2011, em meio à investigação sobre crimes cometidos por policiais corruptos. Anitta ainda perguntou se sentimos a morte de cada policial morto em serviço.

A cantora declarou que o motorista Anderson Gomes era tão importante quando Marielle Franco. Os seguidores não curtiram muito as declarações de Anitta e ela foi bastante criticada nas redes sociais.

A pressão foi tanta que ela acabou apagando o textão que escreveu e colocou no lugar um coração partido.

Tudo porque ela postou algo que algumas pessoas não concordaram.

Morte de Marielle

A vereadora Marielle Franco participou de um evento na quarta-feira (14) durante a noite. Quando voltava para casa, acompanhada do motorista Anderson Gomes e de uma assessora, foi executada.

O crime aconteceu no bairro Estácio, a 4 km de onde ela participou de um evento voltado para mulheres negras, na Lapa. Dois carros perseguiram o veículo em que Marielle estava.

Quando o carro dela passava por uma rua deserta, um dos veículos com os criminosos se aproximou e um homem disparou contra Marielle. Os tiros na diagonal a acertaram, que estava sentada no banco traseiro ao lado da porta direita, e o motorista. Ambos morreram na hora.

De acordo com a polícia, a arma usada estava ativada para dar cerca de 20 tiros por segundo. Marielle e Anderson levaram uma rajada. Os investigadores ainda não descobriram quem cometeu os crimes. Há quem acredite que tenha sido milicianos, mas nada está confirmado até o momento.