A cantora Joelma, ex-vocalista da Banda Calypso, causou um desconforto para lá de chato em uma das suas últimas apresentações. Acontece que ela se apresentou na última sexta-feira (9) em uma boate LGBT [VIDEO] do Recife, capital de Pernambuco, e ao final resolveu cantar Ressuscita-me, um louvor de Aline Barros, o que foi a ponta do iceberg nesta apresentação.

Ativista chegaram a considerar uma afronta por parte da cantora. Em alguns dos comentários na internet foi possível notar a indignação por parte de integrantes do movimento contra o preconceito, que chegaram alegar, inclusive, que Joelma iria se declarar a favor da cura gay (movimento da bancada evangélica que é muito criticado pelos ativistas).

Segundo relatos, Joelma, momentos antes de iniciar a música, chegou perguntar ao público "quem está precisando de um milagre aí?" Logo em seguida, interpretou a música famosa de Aline Barros.

Em relação às polêmicas [VIDEO], Joelma é enfática e afirma que não nutre preconceitos, mas, devido a sua religiosidade, segue a doutrina bíblica imposta pela sua igreja. Ela ressaltou ainda que tem muitos fãs gays, apesar de ser contra a união homoafetiva.

Não é a primeira vez

Em 2012, Joelma também foi muito criticada por conta de um conselho que resolveu dar um rapaz na saída de um aeroporto. Tudo começou porque a famosa foi abordada por um jovem que pediu conselhos acerca da sua orientação sexual. O rapaz queria assumir tal condição para os pais, mas não sabia como.

Joelma, por sua vez, deu o conselhos: "Rapaz, case-se, dê orgulho a sua família" e uma série de justificativas para que o rapaz não assumisse tal condição.

Tudo estava sendo gravado por um outro fã, que fez questão de postar na internet. Obviamente, os ativistas da causa contra a discriminação se posicionaram contra a cantora.

Joelma também já esteve em uma lista criada pelos ativistas LGBT destacando-a entre as 10 maiores inimigos da comunidade LGBT no Brasil.

A lista dos maiores inimigos

Na lista dos maiores inimigos também foram citadas pessoas como o pastor Silas Malafaia, o deputado federal e pastor Marcos Feliciano (PSC-SP) e a ex-presidente Dilma Rousseff (PT).

Dilma, por exemplo, foi incluída na lista por não manter um diálogo com o grupo LGBT sobre assuntos do cotidiano e violências enfrentadas pela intolerância. Para o grupo, a ex-presidente estaria ignorando a existência deles,

Todos esses posicionamentos contra a união de casais LGBT, bem como a propagação do discurso de ódio, que é dada pelo ativismo como homofobia, transfobia e lesbofobia. Até o momento nem Joelma nem a assessoria de imprensa deu declaração sobre o show em Recife.