Zezé di Camargo, que faz dupla com seu irmão Luciano, foi na contra mão de direção da maioria dos famosos que prestaram homenagens à vereadora Marielle (PSOL), que foi brutalmente assassinada na noite de quarta-feira (14), no centro do Rio de Janeiro. A vereadora levou quatro tiros na cabeça depois de sair de uma reunião na Lapa, a tragédia ceifou a vida de Marielle [VIDEO]e de seu motorista e causou uma comoção mundial, de todos os cantos ecoam pedidos de justiça.

Contudo, diante desta barbaridade, muitas pessoas preferiram atacar Marielle e seus ideais. Ela, que foi a quinta vereadora mais bem votada nas eleições de 2016 com aproximadamente 46 mil votos, foi acusada de associação ao crime organizado, e em meio ao pedido de paz e justiça surgiram também muitos comentários de ódio, preconceito, racismo e homofobia.

A polícia carioca continua em busca do paradeiro dos assassinos.

Cada um com sua opinião

O cantor sertanejo também deu a sua opinião, em seu perfil no Instagram no sábado (17) e causou muita polêmica. Em sua postagem ele relevou que não conseguia entender o porquê tamanha comoção e repercussão, [VIDEO] já que todos os dias dezenas de brasileiros são assassinados.

Zezé di Camargo publicou a foto de uma médica que foi assassinada na cidade do Rio de Janeiro em 2016. Gisele Palhares Gouvea, foi covardemente assassinada em um dos acessos da Linha Vermelha. Ela levou dois tiros na cabeça. Na foto de Gisele pode-se ler o seguinte: "Embora mulher, não era negra, não era pobre, não era feminista, não era militante de partidos políticos, não frequentava os círculos LGBT, não era MTST, CUT ou PSOL, não estava dentro dos programas de assistência de cotas do Governo.

Enfim, não preenchia os requisitos necessários para uma mobilização nacional.

O cantor fez questão de frisar que o texto não era dele, mas que o autor do mesmo merecia ser parabenizado, já que sob a visão do sertanejo ele está coberto de razão. Camargo acredita que existe muita politicagem em torno do assassinato de Marielle, ele deu a entender que tal barbaridade estava servindo de palanque político e que, por isso, tal repercussão pode ter sido fabricada.

Alguns fãs do cantor o apoiaram, mas a maioria o detonou, que fez questão de afirmar que tem direito de dar a sua opinião e pediu respeito.

Investigações

A polícia carioca tem poucas pistas a respeito dos criminosos que executaram a vereadora, o que se sabe até agora é que dois carros participaram da emboscada e que o crime foi cuidadosamente planejado.

Sabe-se que a munição usada para executar Anderson e Marielle era de propriedade da Policia Federal e investigações a respeito já estão sendo realizadas.