Apresentador titular do “Bom Dia Brasil”, o jornalista #Chico Pinheiro trabalhou no final de semana e apresentou o “Jornal Nacional” deste sábado (7). Da bancada do principal telejornal do país, ele anunciou a prisão do ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva.

No momento da prisão, internautas acusaram Chico de, "claramente identificado com a esquerda", Chico Pinheiro tornou-se assunto bastante comentado no Twitter. Internautas comentaram o fato de o apresentador dar a notícia sobre a prisão de Lula e o jornalista Marlos Ápyus, dos sites Senso Incomum e Implicante publicou vídeo que mostra, supostamente, Chico chorando ao falar de Lula. [VIDEO]

O vídeo de 45 segundos mostra o jornalista falando que a Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR) repudiou as declarações do ex-presidente feitas em seu discurso na manhã de sábado, na missa pelo aniversário da ex-primeira-dama Marisa Leticia, que completaria 68 anos se estivesse viva.

Um zoom na imagem mostra em close os olhos de Chico Pinheiro marejados, cheios de lágrimas [VIDEO]. Foi o suficiente para internautas tripudiarem e dizerem que ele estava chorando a prisão de Lula.

“Eu admirava muito o Chico Pinheiro como jornalista, até saber que ele gosta e apoia o Lula. Não senti nenhum remorso ao vê-lo chorando quando dava a notícia da prisão de um ladrão, só pena, assim como todos que o apoiam. Mostram o quão mente fracas esses caras são. Lamentável”, comentou um internauta.

“Colocarem o Chico Pinheiro pra apresentar o JN justo hoje foi uma das maiores sacanagens da história do jornalismo brasileiro em todos os tempos”, ironizou outro internauta.

Lula preso

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva teve mandado de prisão decretado na quinta-feira (5) e tinha que se entregar à Polícia Federal, em Curitiba, até às 17h da sexta-feira.

O petista ignorou o despacho do juiz federal Sergio Moro e se abrigou no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo.

Lula tornou-se réu no caso do tríplex, no âmbito da Operação Lava Jato, e foi condenado pelo juiz federal Sergio Moro a nove anos e seis meses de prisão. Desde então, a defesa trabalho incansavelmente para inocentar Lula e, paralelo a isso, o petista criou todo um discurso baseado em uma suposta perseguição que ele estaria sofrendo.

Após a condenação em primeira instância, a defesa recorreu. Na segunda instância, Lula foi novamente condenado e, dessa vez, a pena foi aumentada para 12 anos e um mês. Habeas corpus no Superior Tribunal de Justiça (STJ) e no Supremo Tribunal Federal (STF) foram negados.