O corpo da primeira mulher compositora da Escola de Samba Império Serrano, Dona Ivone Lara, foi enterrado nesta terça-feira, dia 17, no Cemitério De Inhaúma, na Zona Norte do Rio de Janeiro (RJ). Familiares, artistas e amigos compareceram ao local para dar o seu adeus à cantora.

Lara morreu, aos 97 anos de idade, nessa segunda-feira (16), vítima de parada cardíaca. A grande dama do samba apresentava um quadro de anemia.

A primeira dama do samba foi internada sexta-feira na emergência do Miguel Couto

A artista foi internada sexta-feira passada (13), recebendo cuidados de saúde no Centro de Terapia Intensiva (CTI) da Coordenação de Emergência Regional (CER) Professor Nova Monteiro, no bairro do Leblon, Estado do Rio.

Essa unidade é um anexo do Hospital Miguel Couto, que presta atendimento à população carioca nas categorias de urgência e emergência de baixa e média complexidades. A rainha do samba deixa dois filhos e netos.

Os cantores Martinho da Vila e Alcione se despediram da Sambista

Uma multidão de pessoas acompanhou o caixão com o corpo da sambista na saída da quadra da Império Serrano, no bairro de Madureira, para ser colocado no interior da viatura do serviço funerário em direção ao Cemitério Inhaúmas. Artistas como Martinho da Vila e Alcione estiveram no velório de dona Ivone Lara.

Sucessos [VIDEO] da sambista, como “Sonho Meu”; “Sorriso Negro”; “Alguém me Avisou” e “Acreditar”, embalaram a despedida desse ícone da comunidade negra. As bandeiras da Escola de Samba Império Serrano e do América Futebol Clube, time tão amado por dona Lara, cobriram o caixão da primeira-dama do samba, como ficou conhecida.

A apresentadora Adriana Couto, do programa Metrópolis, da TV Cultura, exibiu nesta terça-feira (17) uma gravação da primeira compositora da Império Serrano [VIDEO], na qual ela contou que exerceu os ofícios de enfermeira (8 anos) e assistente social (32 anos).

Grandes artistas gravaram composições da diva do Samba

Ivone Lara, que teve composições gravadas nas vozes de artistas como Clara Nunes, Maria Bethânia, Gal Costa, Paula Toller, Roberto Ribeiro e Caetano Veloso, explicou também que desde os 12 anos de idade já mantinha contato com o mundo do samba.

A assistente social, que trabalhou na área da psiquiatria, disse também na gravação, que seu esposo Oscar Costa não a deixava frequentar as rodas de samba [VIDEO], gosto que só pode se dedicar após a morte dele em 1975. A partir de 1977, quando já havia se aposentado, passou a se dedicar exclusivamente ao samba.