No dia 5 de abril de 1988, uma terça-feira, estreava no horário nobre da TV Globo um dos programas de humor mais marcantes da #Televisão brasileira. Com uma vasta equipe de roteiristas de gabarito, como Pedro Cardoso , Luís Fernando Veríssimo, os quadrinistas Laerte e Glauco, além de renomados, dois quais se destacam Cláudia Raia, Ney Latorraca, Débora Bloch, Marco Nanini, Diogo Vilela, Louise Cardoso, Maria Zilda Bethlem, Pedro Paulo Rangel, Guilherme Karan e Cristina Pereira, a #tv pirata foi um dos maiores sucessos do gênero no Brasil. [VIDEO] A atração ficou no ar até 1992, tendo um breve hiato em 1991.

O programa era recheado de sátiras de atrações da própria Globo, como a novela [VIDEO] “Fogo no Rabo”, em clara alusão a “Roda de Fogo”, que foi exibida na época, o quadro Fórmula 1, em que a “vítima” era nada menos que o narrador Galvão Bueno e nem os próprios integrantes do humorístico escapavam, como foi o caso de Cláudia Raia, que em um dos quadros interpretava a presidiária Tonhão, fazendo um contraponto do símbolo sexual que a atriz era considerada na época.

Como começou

“Ninguém sabe o que poderá acontecer com o humor nacional a partir desta noite”, era a chamada de estreia do programa, uma das novidades da grande da emissora para 1988, que entrava no horário do também humorístico Viva o Gordo, protagonizado por Jô Soares, que havia recentemente se mudado para o SBT. Em sua nova emissora, Jô tentou emplacar seu novo programa, agora chamado de “Veja o Gordo”, porém ele não caiu no gosto do público e concorrendo diretamente com a TV Pirata, acabou tendo baixos índices de audiência.

Além da presidiária Tonhão, interpretada por Cláudia Raia, o programa teve outros personagens marcantes, como Barbosa, de Ney Latorraca, um velhinho babão, que repetia sempre a última palavra dita por outros personagens. Também havia Zeca Bordoada (interpretado por Guilherme Karam), que era o apresentador do "TV Macho", programa que satirizava o “TV Mulher”.

Já Diogo Vilela fazia o Bambi, em alusão ao Rambo, personagem de muito sucesso na época.

A formação original do humorístico contava com Cláudia Raia, Regina Casé, Débora Bloch, Diogo Vilela, Cristina Pereira, Marco Nanini, Ney Latorraca, Guilherme Karam, Louise Cardoso e Luiz Fernando Guimarães. Nas temporadas seguintes Pedro Paulo Rangel, a Denise Fraga e Maria Zilda também passaram a fazer parte da trupe, em substituição a Nanini, Cláudia e Louise.