Um apelo comoveu as redes sociais em fevereiro do ano passado. Trata-se do estudando André Nunes Nachtigal. O estudante que cursa engenharia da computação usou a famosa rede social Facebook para pedir uma ajuda a um dos maiores nomes do humor online, o youtuber Whinderson Nunes. André ainda na infância foi diagnosticado com paralisia cerebral. Sendo assim, o estudante fez um apelo a seu ídolo e usou a fama de Whinderson que possui mais de 30 milhões de seguidores no Instagram pedindo ao humorista uma 'ajuda' para comprar um veículo adaptado, uma espécie de triciclo que o ajudaria a se locomover a sua faculdade em Pelotas sozinho.

André postou em sua rede social a seguinte mensagem para Whinderson: “Cara eu to fazendo uma campanha para arrecadar dinheiro para comprar um triciclo adaptado para eu ir à faculdade sozinho e queria saber se tu pode me dar uma força na divulgação, abraço".

A mensagem teve mais de 12 mil curtidas e rapidamente o apelo foi visualizado e respondido pelo youtuber que dizia: "onde é que tem esse troço moco, "nois" compra agora". Whindersson fez o que prometeu, e doou o valor do triciclo, a famosa empresa Honda ao tomar conhecimento do pedido, fez a doação da moto a qual o triciclo se adapta. Os totais das doações ficaram em cerca de R$ 25.000 reais.

Dinheiro na conta, veículo não entregue; lamenta o jovem

Após o recolhimento das doações feitas por Whindersson e pela Honda, aconteceu um depósito diretamente na conta do dono da empresa a qual seria responsável por fazer o triciclo adaptado. O empresário a qual foi solicitado o pedido mora no Pará, mais exatamente na cidade de Ananindeua. “Tudo foi pago corretamente, eu achei que tudo estava certo e meu sonho iria se realizar Whindersson [VIDEO] e a Honda fizeram a parte deles, não podia imaginar que isso seria assim", relata o jovem André que diz que fica dependendo de sua mãe para conduzi-lo até sua faculdade na cadeira de rodas.

Um ano após o pedido nada mudou.

Caso vai parar na Justiça

Com a ajuda jurídica de um professor e duas estudantes da mesma faculdade em Pelotas onde estuda, o estudante levou o caso para ser resolvido na Justiça, e ao que parece já foram realizadas duas audiências, porem não existiu acordo entre as partes.

Empresário se manifesta: "Estamos atravessando grandes dificuldades”

Identificado como Márcio, o dono da empresa reconhece o atraso, porém garante que não agiu de má fé; ele alega que já fez grande parte do triciclo, mas não pode entregar por não ter condições de comprar o material para terminar o adaptado, devido às condições de sua empresa não estarem nada bem e estar à beira da falência.