A Televisão brasileira literalmente não consegue encontrar os limites entre o que pode ser considerado jornalismo, entretenimento e ou que não passa do ridículo. Entre espetáculos ao vivo com anões, exploração da morte, desgraça e pobreza alheia, uma afiliada do SBT em Belo Horizonte (MG) conseguiu ir ainda mais longe.

O programa [VIDEO] TV Verdade, apresentado [VIDEO] pela TV Alterosa, fez uma incrível sabatina ao vivo, com a participação de uma cantora de funk e um pastor, ao que seria a personificação do “demônio”. O que foi chamado de “entrevista exclusiva” foi ao ar na última segunda-feira, dia 7.

Essa história toda assusta ainda mais porque o programa deveria ser um jornal matinal, que vai ao ar às 7 horas, e é apresentado por Ricardo Carlini, diretor de jornalismo da emissora.

O programa relembrou uma edição que abordou um crime que deixou três pessoas mortas em Pindorama, bairro de Belo Horizonte.

Após reexibir a reportagem, o apresentador chamou uma imagem onde apareceu um exu Tranca Ruas, entidade da umbanda que foi chamado de demônio durante a transmissão. Na umbanda os chamados exus são entidades espirituais, são os intermediadores que ligam os humanos aos orixás.

Eles são confundidos popularmente com demônios, principalmente por atuarem muitas vezes tanto para o bem quanto para o mal. Os fiéis costumam fazer pedidos para eles, mas os mais evoluídos na umbanda pedem para que os fieis evitem os pedidos mal-intencionados.

Como se fosse pouco toda aquela exibição bizarra no início da manhã dos espectadores, a atração optou por mostrar um homem atrás de um biombo, ele se chamava Marcelo e se dizia ser uma ponte entre o mundo físico e o espiritual.

Muita gente se sentiu atraída pelo tema e o programa cresceu cerca de 470%: foi de 0,7 a 4 pontos, conseguindo empatar com a Globo e a Record.

Entre os momentos mais quentes do programa, o pastor começou a clamar ao vivo pelo “sangue de Jesus”, Marcelo começou a afirmar que os cristãos se consideram “donos da verdade”.

Além de tudo isso, o nível foi ainda mais baixo, quando várias ofensas foram proferidas dos dois lados: o suposto demônio dizia respeitar todas as religiões, enquanto o pastor dizia que Marcelo mentia e que não tinha nada a ver com o caso apresentado no início do programa.

Como se não bastasse, o homem possivelmente transformado falou sobre as pessoas das igrejas serem homossexuais não assumidas, usando um termo muito chulo. Para encerrar o programa, o apresentador Ricardo Carlini afirmou que a atração que ele ancora só exibe a verdade. Ele quis frisar que o jornalismo não era um “circo”.