O mundo da ginástica está vivendo momentos de passar o passado a limpo depois das denúncias veiculadas pelo “Fantástico” contra Fernando de Carvalho Lopes, treinador da seleção brasileira de ginástica entre 2014 e 2016.

Fernando teria praticado abusos contra atletas entre 2001 e 2016, enquanto treinava o Mesc, clube da cidade de São Bernardo do Campo, e a seleção brasileira. O treinador trabalhou com Hypólito no período na seleção.

Diego Hypólito vai ao programa de Fátima Bernardes

Nesta segunda-feira (7), Diego Hypólito participou do “Encontro”, de Fátima Bernardes, exibido nas manhãs da Rede Globo. O atleta falou sobre os momentos que viveu na infância e como contou à mãe que havia sofrido abusos [VIDEO].

Durante a conversa com Fátima, Diego revelou como contou para a mãe. Ele relatou não ter assistido ao “Fantástico” porque não quis ver. “Era muito pesado para mim”, afirmou o ginasta.

No dia seguinte, ele assistiu ao “Jornal Nacional” ao lado da mãe e da irmã e também ginasta Daniela. Segundo Diego, quando estavam assistindo à matéria sobre as denúncias a mãe teria comentado “coitado né, uma pessoa tão boa”, referindo-se a Fernando.

Neste momento, Diego se revoltou e perguntou à mãe se ela sabia que ele havia passado por na infância. “Ela ficou em estado de choque”, afirmou Diego Hypólito. Segundo ele, a partir deste momento ele percebeu que todos têm o dever de expor esse tipo de situação.

Ao final da entrevista, Fátima elogiou a coragem de Diego e afirmou ainda que espera que ele tenha tocado um monte de gente e que pessoas que estejam vivendo situações de abuso possam ter a mesma coragem.

Abuso sofrido pelo ginasta

Diego Hypólito contou à mãe que na época em que era criança os atletas mais velhos abusavam dele com a anuência dos treinadores. O ginasta contou que era obrigado a ficar pelado e tinha que pegar uma pilha com o ânus [VIDEO] colocando pasta de dente em cima.

Diego afirmou que quando aconteceu a humilhação foi tanta que ele sofreu um ataque epilético. Por conta desse ataque, ele não conseguiu realizar toda a prova. Segundo Hypólito, os treinadores sabiam.

O ginasta revelou que isso era uma espécie de trote feito por alunos mais velhos com os mais novos. Ele preferiu não expor nomes, mas garantiu que isso aconteceu com muitas pessoas.

Toda essa situação é muito triste e só foi divulgada alguns anos depois de ter acontecido. Nas próximas semanas mais informações podem se divulgadas sobre estes casos de abuso na ginástica brasileira.